Mais um projeto dos blogs aliados do Universo Alternativo! Desta vez o post é sobre "Tudo aquilo que me inspira hoje"




Natureza e Animais/Insetos
As florestas, litorais, animais e insetos me inspiram há muito tempo para a contemplação e a leveza necessária para encarar o dia a dia. 




Cristais
Tenho estudado cristais e ando fascinada por estas rochas
Compro alguns, faço pingentes e monto chokers ou deixo-os decorando meus cantinhos.



Sociologia
Eu sempre disse que uma das coisas que me faz me considerar alternativa é minha sensação de desencaixe no mundo. Mas ano retrasado comprei um livro de sociologia para leigos e pela primeira vez na vida senti que "alguém" me entendia. Confirmei algumas coisas, aprendi outras. Sociologia é o eterno processo de desconstrução e problematização sobre o mundo. Quem é questionador por natureza eu sugiro procurar ler sobre pois vai encontrar algumas respostas (creio eu). 


  
Budismo
Já falei numa série de artigos sobre Wicca aqui no blog que a bruxaria tem um conceito que me identifico desde muito novinha especialmente na questão do respeito à Terra e a natureza. Mas não tenho uma personalidade conformista e continuo não tendo nenhuma religião por não ser obediente a dogmas de forma alguma, mas acho que processos de aprendizado são sempre válidos. De uns dois anos pra cá tenho lido e aprendido sobre budismo que tem algumas visões de mundo que na verdade eu já tinha, como o poder do autoconhecimento, a superação ao apego às coisas materiais e à ignorância. É uma religião que não te obriga a nada, ela te mostra possibilidades e diz que todo ato tem consequências (assim como a regra de 3 da Wicca), as mulheres estão no mesmo nível que os homens na questão do lar e educação dos filhos (assim como na bruxaria onde as mulheres também podem fazer de tudo). Não interessa ao budismo o capitalismo, o "poder" da grana te ilude pensando que você vai ser capaz de comprar sua paz. O que posso fazer com minhas experiências é refletir, me autoconhecer pra me tornar uma pessoa melhor. A religião diz: mude a mente pra mudar o mundo. E isso é algo que Leon Tolstoi também fala que eu sempre curti: "Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia. Todos pensam em mudar a humanidade e ninguém pensa em mudar a si mesmo". Mude sua mente. Mude seu mundo. Gosto de ter a mente aberta para aprender sobre tudo que é diferente do meu habitual.


 
Coisas Naturais 
Assisti ao documentário Venenos do Dia a Dia (assisti no Philos) e este me inspirou a me tornar mais inserida no universo natural. Se eu admiro a natureza, coisas naturais me inspiram também. Meu maior desafio neste momento é na questão cosmética. Tenho tentado dentro do possível trocar todos os meus cosméticos por produtos mais naturais, mas devido ao preço ser um pouco mais elevado o processo é lento. A maior dificuldade minha é com o cabelo, que considero muito importante na minha identidade, no que construí para ser eu. Passarei por um processo de redução de química nele pra recomeçar com produtos menos agressivos, mas isso é um projeto que dentro de dois anos acredito que tenha conseguido realizar. Este mês cortei 12 cm de meu cabelo e aos poucos vou cortando e cortando até essa química pesada ir embora.
   

Cabelos Curtos
Adoro cabelos curtos mas não tenho coragem de cortar beeeem curtinho (estilo pixie) pois tenho o rosto oblongo e acho que vou ficar mais cabeçuda ainda rsrs. Mas como recentemente cortei 12 cm do meu cabelo visando tirar um pouco da química pesada, creio que cabelos curtos ainda me inspirarão nos próximos anos. Aliás, vocês viram no Oscar deste ano a quantidade de atrizes de cabelos bem curtinhos? Eu amei!


 
Mulheres Incríveis!
Cada dia me inspiro mais em mulheres famosas ou anônimas que abraçam uma causa e lutam por ela. Acho que quem me fez acordar pra essa vida foi a Malala e aquele discurso maravilhoso que ela fez na ONU em 2013, passando pelas meninas das ocupações das escolas, as mulheres do movimento de empoderamento negro, enfim... Cada vez que vejo uma mulher de atitude percebo que ficar sentada reclamando ou deprimida com o mundo não é uma opção.


Até breve! ♥


Projeto de Escrita Mensal UA
Janeiro • A História do meu Blog Fevereiro 
• O que aprendi com a blogosfera.
Março • Tudo aquilo que me inspira hoje.
Abril • 5 blogs que sigo e admiro! (Underground, please!)
Maio • Coleção de fotos que nunca publiquei.
Junho • Três postagens antigas favoritas.
Julho • Sobre meu estilo pessoal.
Agosto • Memórias da minha infância / adolescência.
Setembro • 10 coisas pelas quais sou grata!
Outubro • Sobre amores da minha vida.
Novembro • Vivendo na era digital.
Dezembro • O que este ano me ensinou?



Blogues que sinalizaram interesse em participar dos projetos:
4sphyxi4 
Lady Dark's

Alternativa GG
Admirável Inconstância
Vultus Persefone
Eccentric Beauty
Relíquias da Lara
Panzoca
Women Rocker
Alkymist
Necro Side
This is my world
All Mine
Rumor and Horror
Tory Belmont
Corp. Goth. Ltda

Dias de Cheshire
Jess Ribeiro
Trilunaa
Sexo,Fraldas e Rock n Roll 


O estilo característico de criação da Anna Sui me fascina, mesmo que eu (ainda) não seja adepta destes looks "senhorinha excêntrica milionária meio cigana dos anos 1970 que viaja/vive/adora o oriente médio". O trabalho de cores, estamparia, mistura de texturas provoca intensa admiração dos meus olhos! A arte, a criação de um designer supera limitações estéticas! 











StyleWe is an online fashion shopping that features independent fashion designers. They provide original, high quality, and exclusive products from the designers direct to customers worldwide.

StyleWe é uma loja online com escritório em Londres que trás no catálogo peças de estilistas independentes para consumidores do mundo todo. A loja é bem variada, com muitos estilos e o que me chamou a atenção foi a quantidade de peças  inspiradas no estilo retrô. No blog deles vocês podem pegar umas inspirações sobre o uso da bandana, por exemplo.

They  bring together designers and fashion covering many different styles, what caught my attention was the variety of retro and vintage inspired pieces. On their blog you can read this article about  how to hairsyle with bandanas.

http://blog.stylewe.com/step-up-your-hairstyle-fashion-with-bandana/


You can also find retro beachwear, like  this lovely bikini with flamingos.
Na seção de moda praia, tem biquini com a clássica estampa de flamingos.

  https://www.stylewe.com/category/bikinis-245_246/style-triangle.html


Some examples of retro inspired dresses, which I´m in love with!

Exemplos de peças inspiradas no passado, estou apaixonada pelos modelos estilo anos 1930, sempre quis ter vestido assim, mas é super difícil encontrar por aqui. Agora já sei onde tem! :D
www.stylewe.com

 


Lady Gaga é uma artista incrível e confessadamente fã de rock, heavy metal e coisas alternativas, tanto que quando subiu ao estrelato ao invés de usar as roupas "da moda", preferiu usar as peças conceituais, as bizarras, as que ninguém usaria, as que ficariam só nas passarelas e nos editoriais de moda.
Gaga é uma ótima cantora, performer e artista competente.

Muito se falou essa semana sobre sua participação no Grammy com a banda Metallica. E muito se criticou. Eles mandaram muito bem no palco. O visual da Gaga, estereotipado, mas super coerente.
 
Gaga é uma cantora pop e eu lhes pergunto: e o Metallica, não é? Claro que é. É uma das bandas de metal mais populares do mundo. É uma banda mainstream. É mainstream.  


Mas eu tenho uma crítica. 


Acompanho bandas femininas e cantoras de metal desde que me envolvi com esse gênero musical.  

Onde estão as cantoras e musicistas de metal nas premiações? 
Elas não lançam discos? Elas não lançam clipes com suas bandas?
Onde estão as musicistas de metal nos palcos da TV?
Onde estão as musicistas de metal tocando com grandes bandas de rock?
Ao invés de Gaga não poderia ter sido uma musicista da cena metal?
Poderia.
MAS na opinião daqueles que decidem o que você deve ouvir ou não, do que você deve gostar ou não, do que você deve compartilhar ou não em suas redes sociais, o ideal é colocar uma artista famosa e não uma "da cena", porque sim, eles lidam com dinheiro, audiência e polêmicas. Eles manipulam direitinho. E as pessoas "aceitam" sem questionar.
 
A escolha de Lady Gaga só confirma que esse mundo de premiações é um mundo comercial. É aquele mundo que eu nunca me importei muito em fazer parte (por falta de identificação mesmo).

Quando vão se lembrar das cantoras de rock/metal que estão na luta eterna por mais respeito, reconhecimento e menos preconceito?

Acho que está longe o dia que o mainstream vai realmente dar valor à estas artistas tanto quanto dão valor à bandas "all male" e cantoras pops criadas por eles mesmos.


Mais um projeto dos blogs aliados do Universo Alternativo! Desta vez o post é sobre "O que aprendi com a blogosfera."




Nestes anos todos que acesso a blogosfera aprendi muita coisa. Boa parte das coisas foram subjetivas. E vai ser difícil essa postagem não sair piegas.

"Convivendo" virtualmente adquiri mais consciência sobre muitas coisas, desde amizade à distância até sobre sentimentos humanos. E esse tipo de aprendizado nem sempre é possível colocar em palavras, como a sensação de ser parte de algo que envolve muitas pessoas que você gosta e/ou admira ou as nuances de empatia em diversas situações. O aprendizado de que entre as semelhanças também existem diferenças e ninguém deixa de ser amigo virtual por conta disso porque o que os une é maior do que o que separa.

Blogs são uma forma de companhia, cria-se um laço com algo que conforta. Mesmo estando longe, um clique nos faz parecer mais perto e parte de tudo.

Aprendi que amizades virtuais por várias vezes nada tem de superficiais. Algumas amizades virtuais são apenas distantes, mas são tão próximas em termos intelectuais e emocionais quanto as amizades "reais". Eu poderia dizer que tem blogueiras alternativas que acompanho e que não imagino minha vida sem elas. Quero dizer: o quanto ficaria chato se todas elas decidissem acabar seus blogs, eu sentiria muita falta.

Aprendi que blog é ter um espaço só seu pra fazer o que quiser, é um espaço de muita liberdade. Eu poderia dizer que é espaço de mais liberdade que temos, já que as redes sociais costumam bloquear quem publica certos conteúdos. Aprendi isso ao notar que eu podia jogar o que quisesse nos meu blogs, independente de quem fosse ler.

Aprendi que blog também é um espaço de troca embora isso não seja necessário pra um blog sobreviver.

Você pode criar um blog esperando comentários, mas você não precisa dos comentários pra sobreviver. Um blog pode viver por anos com comentários fechados ou ocasionais apenas se valendo da vontade do autor em se expressar.

Aprendi que os blogs alternativos exercem uma baita função que é ser um canto de apoio aos que estão se sentido perdidos por aí nesse Brasil, necessitando de identificação com pessoas semelhantes.

Aprendi que ter blog também é ter responsabilidade sobre o que se publica. Não é certo sair por aí destilando preconceito em postagens ou informando coisas erradas. Mesmo quando fazemos uma postagem desabafo sobre os mais variados assuntos pessoais, aquilo vai chegar em várias pessoas e gostando ou não, podemos influenciá-las ou mexer com as energias delas, fazendo-as se sentirem melhores ou piores.

Mas a blogsfera é assim mesmo. É um espaço de expressão democrática. É um espaço pra todos. É um aprendizado sobre liberdade e tolerância!

Blogues que sinalizaram interesse em participar dos projetos:
4sphyxi4 
Lady Dark's

Alternativa GG
Admirável Inconstância
Vultus Persefone
Eccentric Beauty
Relíquias da Lara
Panzoca
Women Rocker
Alkymist
Necro Side
This is my world
All Mine
Rumor and Horror
Tory Belmont
Corp. Goth. Ltda

Dias de Cheshire
Jess Ribeiro
Trilunaa
Sexo,Fraldas e Rock n Roll 


Projeto de Escrita Mensal UA
Janeiro • A História do meu Blog Fevereiro 
• O que aprendi com a blogosfera.
Março • Tudo aquilo que me inspira hoje.
Abril • 5 blogs que sigo e admiro! (Underground, please!)
Maio • Coleção de fotos que nunca publiquei.
Junho • Três postagens antigas favoritas.
Julho • Sobre meu estilo pessoal.
Agosto • Memórias da minha infância / adolescência.
Setembro • 10 coisas pelas quais sou grata!
Outubro • Sobre amores da minha vida.
Novembro • Vivendo na era digital.
Dezembro • O que este ano me ensinou?


Há algum tempo venho observado a "obrigação de postar" e percebi que muitas vezes essa obrigação pode se tornar um motor de criatividade.

Ao mesmo tempo em que somos livres pra postar somente quando quisermos, a 'obrigação' com dia e hora marcada faz o cérebro procurar assunto, gerando assim uma busca, uma curiosidade por novos temas a serem abordados. As referências começam a aparecer. As ideias começar a fluir e uma ideia vira realidade.

Há um outro aspecto importante nisso tudo, além da fragmentação das redes sociais [que já comentei neste post]: minha luta contra a passividade virtual. É como se o processo passivo de rolar um feed sugasse a energia mental que eu usaria para inventar, criar algo, adiando algum tipo de postagem interessante que poderia sair.

Rafaela Ivo disse recentemente em um de seus posts: "hoje sei que meu blog não é uma obrigação, mas é sim um compromisso." E é exatamente isso: estabelecer datas é também criar um compromisso de respeito com meu espaço.

Assim, quando me proponho a postar em determinada data - a tal "obrigação de postar" - consigo manejar melhor meu tempo. Há tempo pra tudo, inclusive para colocar metas nas escritas.

A "obrigação de postar" pode ser encarada como um prazo para colocar as ideias em prática. 
Pego meu café e me debruço sobre minhas escritas e rascunhos. Algo novo com data pra nascer :) 
Fonte.


Editado: 17/02/2017


Nestes dias muito se falou sobre grafites apagados na cidade de São Paulo e obviamente as pichações também entraram nos debates.
Como estudante de subculturas, ano passado me interessei pela subcultura do picho meio sem querer. Eu estava assistindo despretensiosamente um programa no canal Arte 1 sobre arte de rua, e o picho foi abordado. Aquele programa fez um click no meu cérebro e me fez ver os pichadores com olhos completamente diferentes do que estava habituada. Dei uma pesquisada breve no tema e aprendi coisas muito profundas. Aquele tipo de coisa que eu, que adoro ciências sociais, nunca tinha parado pra pensar. 


Os pichadores são comumente chamados de "vândalos", mas são na verdade transgressores e reflexo da exclusão social. 
Da divisão de classes. 
Ocupam o que lhes foi negado.
Confrontam a sociedade. 
Eles saem da invisibilidade direcionada ao ser humano pobre da periferia. 
A forma destes seres excluídos da sociedade terem uma voz é pichando o que a sociedade acha lindo e privado. E o que é público e negado à eles.


O lindo muro da propriedade privada foi pichado? Aquele monumento escultural de um artista famosíssimo? Escritas "feias" e indecifráveis na fachada de um prédio de bela arquitetura?
Foi a forma que quem foi excluído de tudo isso encontrou pra expressar sua revolta social. Anular a forma que eles encontram de demonstrar sua revolta social é excluir estas pessoas mais uma vez em cidades que estão cada vez mais privadas e exclusivistas. 


Já tem picho - isso mesmo, picho - de brasileiros sendo vendido em Galerias de Arte na Europa e EUA por milhares de dólares. Ocorre de um picho no muro ter mais o que dizer do que um jornal que só passa notícias ruins.
E nós ainda estamos muito, mas muito atrasados na mentalidade sobre subculturas e a forma como elas encontram de se expressar na nessa sociedade castradora e silenciadora de pobres questionadores. 

Anarquistas graças à deus

Picho sendo cultura.


Não peço que ninguém defenda pichadores. Só acho que precisamos pensar além do óbvio. Que antes de julgar esta forma de expressão, as pessoas procurem tomar conhecimento sobre o que a exclusão social provoca no meio em que vivemos e quais as formas que o povo encontra de se comunicar nas cidades. As pessoas precisam entender que eles existem por causa de um contexto social e também porque querem tomar parte da cidade que lhes é negada. O que é estranho é a falta de questionamento, que não queiram saber ou não tenham interesse. Mas ok, sei que nem todos tem obrigação de ser questionadores como nós alternativos somos. Só que não me interesso por julgamentos rasos,  me interesso que as coisas sejam debatidas de forma mais profunda e clara, sem manipulações de informação para que cada pessoas forme sua opinião de forma consciente. 
 


O picho não é só sobre os excluídos. É sobre eu, você e uma necessidade que surja de se expressar publicamente nas ruas. É fazer da cidade um local de comunicação. E isso é extremamente transgressor já que existem regras que devemos obedecer. Mas quem respeita os jovens periféricos e não os julga pela cor de pele ou vestimentas? Quem dá voz aos jovens sem voz?

 
Então eu pergunto: por que nossos prefeitos ao invés de apagar os pichos (que são a parte superficial dessa história toda), não mergulham nos problemas reais dos jovens periféricos e criam programas pra inseri-los dignamente na sociedade? Qual é o programa de governo de seu prefeito para a classe baixa? Eles pegam os pobres e jogam cada vez mais nas periferias, anulando-os, excluindo-os o direito de fazer parte delas com a desculpa de "limpar" as cidades que os próprios governantes foram omissos??



Então não, ninguém precisa ser a favor de pichadores, mas acredito que todos tem a capacidade intelectual de entender porque o picho ocorre, o que ele significa e que aquela é uma  forma de pessoas terem voz, comunicarem-se com a cidade e com a sociedade em que vivem.


Quando Raul Seixas dizia "prefiro ser essa metamorfose ambulante" ele não queria dizer que mudava de opinião toda hora a ponto de ser uma pessoa sem opinião e sim, que cada dia ele aprendia mais e mais e ia desconstruindo os próprios conceitos pré estabelecidos criando assim uma nova mentalidade e ideia sobre um assunto que parecia definido.
E eu sou assim, quanto mais aprendo sobre um tema e suas causas, mais mudo minhas opiniões. Frank Zappa já dizia que a mente é como um paraquedas, só funciona se estiver aberta.

"Agressivo não é o picho, é a sociedade que protege o muro com facão e arma de fogo. O picho é uma resposta para a segregação espacial que existe em São Paulo.
 - frases de Cripta Djan e minha sugestão é a leitura desta matéria aqui.



 Beijo às divas questionadoras cujas mentes não se contentam com o que nos é ensinado como "certo".


Eu me atrasei horroooores pra participar deste projeto, mas recebi a benção de Lady Jaqueline permitindo a minha participação tardia! :D
(brigada Jaque! ♥)
Então por isso talvez o link do meu blog não apareça na linkagem dos blogs que publicaram na data certa, mas não tem problema, o importante é que não deixei passar!



O projeto faz parte do grupo Universo Alternativo 
e o tema do mês é A História do meu Blog.

O Diva Alternativa está completando SETE anos no dia 29 deste mês!! Nem eu acredito que faz tanto tempo!
Comecei o blog pra postar sobre livros, bandas de rock/metal e editoriais de moda que eu gostava e que não cabiam dentro da temática de meu outro blog, o Moda de Subculturas. Com o passar dos meses foi se tornando também um blog pessoal.

E o nome? A palavra "Diva" estava na moda na época. TUDO era "diva", fulana é diva, Tarja é diva, Dita von Teese é diva... Daí eu pensei: "TÁ! Todo mundo é Diva. E quem é alternativa também é! As meninas comuns que são alternativas, também são divas!".

De 2010 até 2012 teve postagens recorrentes, mas em meados de 2012 parei o blog por motivos pessoais e só o retomei em janeiro de 2014. Neste retorno descobri que copiaram o nome do blog em outros locais e fiquei bem triste, mas isso é algo difícil de controlar. Quando voltei em 2014, tinha uma nova formulação: looks do dia e postagens de comportamento. 

Acabou que cansei deste formato por ser mais do mesmo na web (eu tenho dificuldade em seguir padrões) e eu nunca curti muito publicar minhas fotos, também não me acho fotogênica e nem acho que meu estilo é lá grandes coisas. Então pausei este formato mais direcionado à looks. Mas a experiência foi válida como auto conhecimento. O que descobri foi que eu não sou uma pessoa que tem habilidade e destreza de seguir a maré. Não consigo - mesmo que eu me esforce - fazer algo que está na "onda" e isso não é necessariamente bom, pelo contrário, boa parte do mundo de hoje gosta de "coisas iguais", pois dá uma sensação de segurança. A pessoa se sente incluída e aceita quando faz o igual. E se você não faz o igual, bom... se vira!

De 2015 pra cá, está tudo meio confuso. O blog está meio largado e há momentos que eu sinto que o que eu tenho a dizer não tem importância. Tenho dificuldade de entender essa dinâmica dos alternativos estarem parecidos com a cultura dominante às vezes. Fico meio perdida sobre se estamos nos tornando fúteis, consumistas e preconceituosos. Coisas que sou super avessa. Daí não sei se faz diferença se atualizo aqui ou não. 

Em contrapartida, mesmo não comentando, sempre leio os bloguynhos das colegas e vejo alguns vídeos. Elas de certa forma são meu porto seguro nessa selva de pedra que é a internet. Elas são a resistência. Elas são aquelas que não desistem, as guerreiras combatentes da blogsfera alternativa nacional. Eu poderia dizer que é por causa das outras blogueiras alternativas que ainda permaneço neste espaço.

Dizem que com 7 anos surge a crise dos relacionamento né? 
Vamos acompanhar o desenrolar dessa crise então! ;D

Agora é partir pra ler o post de todo mundo que participou do projeto!
Blogs Participantes (se faltou alguém avise!)! É só clicar no nome de cada um :)
4sphyxi4
Lady Dark's

Alternativa GG
Admirável Inconstância
Vultus Persefone
Eccentric Beauty
Relíquias da Lara
Panzoca
Women Rocker
Alkymist
Necro Side
This is my world
All Mine
Rumor and Horror
Tory Belmont
Corp. Goth. Ltda

Dias de Cheshire

Projeto de Escrita Mensal UA
Janeiro • A História do meu Blog
Fevereiro • O que aprendi com a blogosfera.
Março • Tudo aquilo que me inspira hoje.
Abril • 5 blogs que sigo e admiro! (Underground, please!)
Maio • Coleção de fotos que nunca publiquei.
Junho • Três postagens antigas favoritas.
Julho • Sobre meu estilo pessoal.
Agosto • Memórias da minha infância / adolescência.
Setembro • 10 coisas pelas quais sou grata!
Outubro • Sobre amores da minha vida.
Novembro • Vivendo na era digital.
Dezembro • O que este ano me ensinou?


Olá Dyvas, em abril deste ano prometi apresentar pra vocês dicas sobre parcerias em blogs alternativos. Só que eu pausei o Diva um tempo por causa dos meus estudos, das provas... só que ano chegou ao fim  e não vou deixar vocês na mão!

Sei que tem bastante gente na web falando sobre Publicidade em Blogs, mas eu optei por focar no público alternativo. Difere muito dos blogs mainstream? Sim, um pouco. Especialmente pela questão do nicho, já que blogs alternativos costumam ter um público mais segmentado. Todo mundo tem um nicho? Sim, tudo mundo tem. Por incrível que pareça, você provavelmente também tem! Às vezes a pessoa pode ter até mais de um nicho. Por isso tenha cautela porque existem algumas coisas que dão certo pra blogs mainstream mas que nem sempre dariam certo num blog alternativo.

Todo mundo tem seu nicho. Todo mundo tem seu público!


Nesta série de dicas sobre publicidade em blogs alternativos (que também vale pra vlogs, basta adaptar!) desta vez vou responder a algumas perguntinhas selecionadas no primeiro post sobre o tema [este aqui]. Se você chegou agora e tá meio perdido, seguem os links das postagens anteriores em ordem:

- Publicidade em Blogs Alternativos - Como começar?
- Parcerias em blogs alternativos - Conteúdo, Influência e Redes Sociais 

Sobre números:
- Blogs e Instagrams Alternativos: A exigência de números é mais prejudicial do que parece. 
- Blogs e Instagrams Alternativos: A compra de likes.

Texto Complementar:
- Blogs e a fragmentação da informação nas redes sociais


Perguntas:
- Como posso apresentar meu blog para as empresas?
Crie seu mídia kit. Nele deve conter informações sobre você, sobre seu blog, dados sobre seu público (uma pesquisa de público pode ser necessária), acessos e números do blog + social medias, seus formatos de parceria e seus preços. Toda informação que você achar relevante ser apresentada.

- Que tipo de parcerias posso oferecer? 
Varia muito de blogger pra blogger, mas vou listar algumas que costumo usar:
 
* Publipost/Publieditorial: a blogueira é paga para postar sobre uma loja, sobre um produto, divulgar um evento etc.
Não sei como outras blogueiras fazem, mas no meu publipost ofereço post com mais de 300 palavras e dois links. Se a pessoa quiser mais links, pode ser cobrado valor extra sob cada link. Evite escrever "os produtos são ótimos, recomendo", se vc não conhece o produto é melhor se abster de dizer que ele é bom. Você foi paga pra divulgar, não recebeu produto pra fazer um review. Tente ser o mais neutra possível.
 
* Permuta: a típica parceria de troca de favores "eu te dou um produto e você resenha/faz post".  É um acordo entre as duas partes e costuma conter as palavras "recebi da loja tal".
Particularmente não uso a palavra "recebidos" pra dizer que recebi do correio coisa que comprei. Sou da época que a gíria bloguística "recebido" ainda era sinônimo de "post permuta". É um pouco perigoso e até desonesto dizer que "recebidos" é algo que você comprou. Portanto se usar essa palavra, deixe claro ao leitor que você recebeu o que comprou e não foi uma permuta com loja. Use as palavras "compras/comprinhas" ou "haul" que são mais diretas do que "recebidos". Neste tipo de postagem você pode e deve dar sua opinião sobre o produto.

* Relacionamento: funciona mais ou menos como uma "permuta". É quando a marca te manda algo de forma espontânea e você publica se gostar/quiser; ou quando você é convidada para um evento da marca.

* Afiliado: 

1. quando a loja oferece um desconto para seus leitores baseado num código. Ao fim de cada mês (em média) você recebe o valor do desconto em dinheiro ou produtos. Normalmente fixa-se um banner no blog com esse cupom de desconto. Você não é obrigado a postar que recebeu a grana ou produto, isso é facultativo. O que você precisa é divulgar esse cupom de desconto porque óbvio, é retorno financeiro pra você e venda para a loja.
2. quando você recebe dinheiro por clique de link ou de banner sem necessariamente oferecer desconto aos leitores.
3. Uma boa forma de tirar um troco com afiliado é colocar o google AdSense ou plataformas como Amazon ou Lomadee. AdSense tem ali na lateral do blogspot na parte de "ganhos", faça seu cadastro. Não tenha preconceito, não ligue se "é feio". Se tirar uma média de 30 reais por mês com o AdSense, parece pouco, mas no fim do ano dá 360 reais.

* Patrocínio: quando uma loja patrocina todo mês seu blog com dinheiro pra você postar sobre ela ou citá-la com links em posts ou em redes sociais. 


* Banners: as lojas te pagam pra você colocar o banner delas no blog. O tempo de permanência desse banner é você quem decide. Eu ofereço um padrão de 3 meses podendo ser renovado por tempo indeterminado.
O banner costuma ter um valor "baixo". Ele custa menos que o publipost, pois depende muito do clique do leitor. 


* Press Kit: Quando uma empresa te manda algo sem compromisso para conhecer o trabalho dela. Não é necessariamente um produto, pode ser um pdf sobre a nova coleção, pode ser um brindezinho. Assim como no relacionamento não te obriga a postar sobre o que você recebeu. Se a loja deseja obrigatoriamente um post ou resenha, ela que escolha adquirir publipost. O press kit é mais como uma apresentação "de midia".



IMPORTANTE:
Divulgar uma marca nas redes sociais pode ser cobrado à parte. Especialmente se é uma rede social que você tem bastante fãs.
Exemplo 1: Loja fecha publipost + divulgação em Face e Insta = é cobrado o valor do publipost + a divulgação do face e insta.
Exemplo 2: Loja fecha permuta + divulgação em Face e Insta = é cobrado o valor de divulgação das redes sociais.
 

QUANTO DEVO COBRAR POR PUBLIPOST, BANNER, LINK...?
Fiz umas continhas e vou disponibilizar pra vocês valores de publipost e banners baseados em acessos de blog e CPM. Você pode e deve aumentar os valores se achar que faz um trabalho bom, se é influente ou referência no nicho.
Esses valores são só uma base, ok? ;)
E não esqueça de cobrar a mais pela divulgação nas redes sociais, se for o caso. 


Blogs - Acessos - Publipost: Comecei com acessos bem baixinhos e fui até um acesso maior. O tempo base que usei pra criar um post foi 4 horas e o valor da hora de trabalho coloquei R$10,00. CPM de R$1,40.

Acessos por mês

Valor do Publipost
500
R$40,00
1500
R$42,00
2500
R$44,00
5000
R$47,00
10000
R$54,00
20000
R$68,00
30000
R$82,00
40000
R$96,00
50000
R$110,00


* Se você achou os valores do post muito altos/quer "amenizar" seus preços, você pode criar um valor fixo, por exemplo:
Post com 300 palavras e 2 links = R$60,00


Banner: Lembre-se que banner é uma forma "fixa" de todo mês você tirar um troquinho do blog. Eles são mais baratos que publipost, existe uma flexibilidade de tamanhos e de permanência. Importante lembrar que banners no topo do blog custam mais que os no final do blog, assim como quanto maior o banner, mais caro ele é. Eu poderia colocar aqui preços de banners de vários tamanhos e localizações, mas ficará um pouco trabalhoso. Então fiz um valor baseado num banner de 200x300pxls localizado no meio do blog. Acho que dá pra ter uma ideia de valores né?


Acessos por mês

Valor do Banner de 200x300pxl 

500
R$04,00
1500
R$08,00
2500
R$20,00
5000
R$40,00
10000
R$80,00
20000
R$160,00
30000
R$240,00
40000
R$320,00
50000
R$400,00


* Se você achou os valores do banner muito altos/quer "amenizar" seus preços, você pode criar um valor fixo, por exemplo:
Banner com 3 meses de permanência no meio dos seus gadgets laterais = R$30,00


Porque é justo cobrar um valor pra fazer divulgação? 
Simples: porque você paga luz, internet, fica horas criando um post, selecionando imagens, tirando fotos, montando looks, editando vídeos...
Vai ter loja que vai dizer que tá caro, que você "não é influente", que não vai responder ou só querer fazer permuta? Vai! Mas daí você já fica sabendo quem é aberto a apoiar seu trabalho e quem só quer divulgação gratuita.
Quando você é pago pra divulgar uma loja, você tem de fazer um bom trabalho! O lado bom disso é a empresa gostar e virar parceira permanente ou vocês crescerem juntos compartilhado o público.


Sobre permuta (divulgação "gratuita" por troca): lembre-se que a escolha final é sua! Você tem todo direito de negar uma permuta se achar que o produto não compensa seu tempo.

- Devo abordar uma loja ou esperar ela me abordar?
Já pensou que as lojas recebam dezenas de e-mails de blogueiras pedindo parceria? Deve chegar um ponto que eles simplesmente ignoram esses emails "mendigando" produtos pra review.
Mas no meio de milhares de blogs, como fazer com que descubram o seu?
A forma ideal é se apresentar. Diga seu nome, apresente-se e seu blog e fale sobre o que
você bloga. Não precisa pedir parceria, não precisa pedir nada, apenas faça-se visível. Se a loja achar que você tem o perfil, ela vai reservar seu email. E o melhor: não vai te achar inconveniente de estar "pedindo produto" nem solicitando parceria.


- Meu blog é minúsculo, posso cobrar por link divulgado? Quanto posso cobrar?
Pode sim. Na verdade deve cobrar mesmo que seja 10 reals. Nada é de graça nessa vida. Você paga luz e a conta da internet, então, porque divulgará de graça? 

- Recebi proposta de uma loja grande/famosa, como devo proceder?
Com certeza haverá empolgação. Mas tenha calma e não caia na bobeira de ser emocional demais, respire fundo, dê um tempo... Algumas lojas aproveitam essa "emoção" da blogueira e fazem parcerias exploratórias. Mostre suas opções de parceria. Faça contraproposta. Debatam até que cheguem numa proposta boa pra todos.

- Recebi proposta de parceria de uma loja muito pequena, como devo proceder?
Em caso de lojas muito pequenas ou iniciantes preste atenção na qualidade do produto. Estabeleça uma qualidade mínima, pois não é legal promover produtos de qualidade baixa porque depois seus leitores compram e vão achar ruim você ter indicado algo inferior. 
Se a lojinha tem produtos bons e principalmente tem potencial criativo (isso é importante), mande seu mídia kit. Se quiser "amenizar" seus valores caso ache que a lojinha tem um diferencial, um potencial de crescimento, vá em frente.

- Os banners no blog: ofereço de graça ou cobro? E quanto cobro? E quando é de graça?
Banners de lojas são a melhor forma de você tirar um troco do blog. Imagine que a cada acesso em seu blog, aquele banner é visualizado por alguém. Quem está ganhando com isso? Cobre sim. Banner "de graça" só se for no método afiliado, mas na verdade você retira uma grana depois.

- Se a loja me mandou um produto pra review mas não gostei, o que faço? 
Diga educadamente que o produto não tem a qualidade que você esperava e faça a devolução do produto e, se caso for, o cancelamento da parceria. Se você achar que não está no seu padrão de qualidade mas pode estar no padrão de outras pessoas, deixe em aberto para a loja uma futura negociação de outro tipo de parceria - assim você faz sua função de ajudar a promover uma loja, mas se abstém de dar opinião diretamente.
Você não tem a obrigação de postar um produto que não gostou ou que tem má qualidade, mas em contrapartida, seu blog é uma vitrine e pode sim, usar de outros métodos de divulgação como um banner, contanto que se sinta bem divulgando aquela empresa.

- A loja me ofereceu mandar um produto pra review mas não é meu estilo, como reajo?
Se o produto não é seu estilo, faça uma contraproposta. Ofereça um publipost, um banner ou um afiliado. Pense: porque aceitar algo que não é seu estilo, que você não vai usar ou acabará no lixo? Isso é desperdício! Se você não faz o estilo witchy/bruxa, porque raios você vai receber produto com esse estilo? "Ah tenho mente aberta pra experimentar". Se é assim, ok, vá em frente e encare um estilo diferente e as consequências caso não goste depois. Mas se não é seu estilo e você quer ceder seu espaço pra loja: ofereça publipost e banner não desperdice um produto que pode vir a ser venda para outra pessoa.

- Duas lojas que vendem produtos iguais querem anunciar no meu blog, o que faço? OU
Uma loja não quer que a outra, que tem produtos semelhantes, também anuncie no meu blog, o que faço?
Partindo do raciocínio que seu blog tem um espaço de publicidade, existe espaço pra todos os que quiserem aparecer lá! A loja precisa entender que o blog é SEU e você divulga lá quem VOCÊ quiser! 
Se uma loja exigir que você não divulgue a concorrente, a solução é simples e cara: um contrato de exclusividade. 
O ideal nesse caso é escolher uma loja e fechar contrato de exclusividade. Um contrato tão bom que você possa dizer "não" a todas as propostas vindas de lojinhas com produtos semelhantes. Se uma loja quer seu espaço só pra ela, ela vai ter que te pagar muito bem, ela tem que te compensar as oportunidades que você "perde" de não ter outras loja como anunciante. Criem um contrato e assinem. Nada de boca a boca, viu? Dá pra fazer contrato e assinar até por arquivo pdf. E se achar necessário, registrar no cartório.

- Sobre pagamento:
Se quiser manter privado seus dados bancários, receba e cobre pagamentos pelo método Paypal ou PagSeguro.

- Como evitar (ou minimizar) a "exploração gratuita" de seu espaço?
* Não aceite permutas onde a peça não é seu estilo.  
* Na permuta, escolha uma quantidade de peças que cubra pelo menos 70% do seu trabalho de criação e divulgação
* Passe seus valores. As meninas que não cobram são as que as lojas se aproveitam.  
Tem muita loja viciada em só divulgar gratuitamente. Se todas as meninas passassem a dar seus preços, as lojas encarariam com mais respeito o trabalho das blogueiras. E cobrar é bom pra ambas, já que, se a loja tá pagando ela vai sair ganhando, pois o post será bem mais elaborado e a divulgação mais ativa. A partir do momento que você divulga uma loja no seu blog, o post fica lá "para sempre". A loja vai ganhar dinheiro com as vendas que fizer ao seus leitores e você, ganhou o quê? O ideal é que você ganhe um dinheirinho pra promovê-la, porque não dá pra ganhar um colarzinho enquanto a loja pega seus leitores e os transforma em vendas...
Quando seu blog tem espaço pra publicidade, é justo e certo que seu trabalho de divulgação tenha um preço.

O que dificulta muito o crescimento dos blogs no nosso caso alternativo é que muitas donas de lojinhas não se veem como "empresárias". Ficam no amadorismo, não atualizam todos os dias suas redes sociais, não apresentam boas fotos dos produtos no sites e depois vão exigir da blogueira um retorno. Mas não é sua obrigação levar tudo isso nas costas.

Cansei de ver loja com página do Face que não atualiza nunca, com Instagram que não tem uma divulgação legal dos produtos e daí não há blogueira que faça milagre de vendas se o site e as redes sociais da loja não está atraente pros clientes.

Se você gosta muito de uma loja pequena ou acha que ela tem potencial, basta negociar uma divulgação justa. Por exemplo: faça de graça, mas numa divulgação mais restrita - só no blog (não divulgue no face ou IG ou G+); ou se o valor de seu publipost é de R$80,00, cobre R$20 + algum produto em x valor... sempre dá pra ajudar de alguma forma pra todos crescerem juntos.

Só não pode deixar que seu trabalho seja subestimado. Afinal, você paga, luz, internet, layout, url, tira fotos, edita videos... olha só quantas horas de dedicação!

Lembrando que esta série de post foi feita de dicas pra quem quer monetizar as parcerias do blog. Caso você ainda prefira manter tudo na base da troca, sem dinheiro envolvido, não tem problema nenhum. Mas isso não te impede de fazer uma "seleção" do que vai apresentar no blog, até mesmo pra manter um padrão de qualidade.

AH e se tiverem alguma dúvida sobre seus blogs, me contatem!

Bjs Dyvas e um maravilhoso e próspero 2017 para todas.
E que sejam muito mais Dyvas do que já são! 
Em 2016 precisei tirar um tempo off por causa dos estudos (que continuam em 2017!) mas sempre que possível acompanhei vocês! <3