Amantes Eternos é daqueles filmes com "atmosfera", que você sente a obra como se participasse das cenas. Alguns podem estranhar o desenrolar dizendo que "não acontece nada/é parado". Mas eu penso que não é que "não aconteça nada", é que os filmes americanos midiáticos tendem a ter uma explosão de acontecimentos sem fim rsrs. O que me atrai no cinema do velho mundo, é justamente essa proximidade com a realidade, porque a vida é assim mesmo: às vezes acontecem coisas, mas não em grandes proporções. Esse filme é tipo o que acontece num filme canadense que adoro, chamado "O que trás boas novas", apenas uma dose, um trecho da vida dos personagens, uma passagem.


 

Os Vampiros
Lendas sobre vampiros são imemoriais. Mas a ideia do vampiro moderno veio da obra de Bram Stoker... Eu mesma tive uma fase de obsessão por essas criaturas, mas passou. Num dado momento, me surgiram questionamentos, do tipo: "Eternos como são, não deveriam estar mais habituados à humanidade? Afinal, tá sobrando comida!" E, apesar de alguns terem ares sofisticados e glamourosos, são sempre "agressivos" ou "grosseiros" na atitude com os humanos. Como inimigos de suas presas, na forma mais selvagem da cadeia alimentar.

E é aqui que Amantes Eternos me fascina.
É aqui que ele preenche a lacuna que me faltava.

Sabem aquela letra de Raulzito, "Eu Nasci há 10 mil anos atrás"? Ela soa como se falasse de um ser eterno, né? O personagem da letra de Raul, nasceu há 10 mil anos e sabe tudo de tudo da história da humanidade.  Adam (Tom Hiddleston) e Eva (Tilda Swinton), vampiros que estão há tantos séculos andando pela Terra, se ligam com essa canção. Os vampiros são extremamente cultos e inteligentes por terem vivido os séculos, entendem o ser humano como ninguém. Num dado momento, falam da guerra por petróleo e que em breve haverá guerra por água. Na hora que Adam cita Mary Wollstonecraft eu quase tive um treco! Posso dizer que toda essa cultura, esse conhecimento da história da humanidade foi um dos pontos principais pra eu amar essa dupla que é de uma sofisticação incrível.
O casal não tem aquela cara de vampiros psicopatas loucos por sangue, na verdade, parecem gente como a gente. Adam é refinado, melancólico e sensível, enquanto Eva tem jeito meio moderno, despojado, pra frentex. Tanto que o casal não mora junto, vivem separados, cada um cuidando de sua vida em países diferentes.



Porém existe um certo cansaço e desilusão com a humanidade, a quem eles chamam de "zumbis". Ambos se sentem deslocados no mundo atual, outsiders. As críticas são vindas principalmente de Adam, que depois de conviver, no passado com tantas pessoas cultas, não suporta como as pessoas atuais se tornaram tão vazias e passivas. Ele sente um bocado de desprezo, mas nem por isso sai mordendo pescoços. Ambos tem respeito pelo ser humano, mas mais do que isto, os maus hábitos da humanidade poluíram seus sangues (drogas, má alimentação, doenças), assim, eles preferem recorrer às fontes de sangue puro. Pro casal, sair por aí mordendo pescoços, é "coisa da Idade Média".
O tradicional estereótipo do vampiro sedutor e chupador de pescoços humanos é identificado na irmã de Eva, chamada Eve. Adam até tira sarro  perguntando se ela não deveria estar dormindo num caixão (nem Adam nem Eva dormem em caixões, mas em camas com lençóis pretos).

Adam é um músico underground, mora num local em ruínas muito bem decorado com relíquias dos séculos passados, na cidade americana de Detroit, que é conhecida por ser uma cidade decadente, falida e com os maiores índices de violência dos EUA. Sua melancolia, ser avesso à fama e sua depressão, me fez lembrar um pouco do angustiado Kurt Cobain, mas esteticamente se veste de negro e se assemelha à um personagem de quadrinhos góticos. Adam é como que o lado escuro e Eva, parece ser o lado "solar". Ela usa roupas claras e tem cabelos platinados, a dupla é um contraste claro e escuro. Eu senti muito esse toque de luz e sombra estilo arte barroca na fotografia do filme.


No desenrolar da história, existe uma crítica sutil à produção cultural atual e ao nosso modelo de vida moderno. Num dado momento, quando o casal está na cidade de Tanger, no Marrocos, ambos parecem que vão desmoronar de fome
(já que eles não atacam humanos) e fraqueza quando de repente surge uma das cenas mais lindas: uma moça árabe canta num bar e os fascina, como se os despertassem de novo ao mundo, como se ela renovasse as esperanças. Como se a beleza da música, da cultura e porque não, a beleza humana mortal, tivessem o poder de fazê-los voltar a ter prazer "em viver". 

Admito que quis assistir o filme tanto por causa do trailer - que me passou a impressão de ser um filme vampiresco misterioso e fora do padrão (e realmente é!), quanto por causa de Tilda Swinton, que se tornou uma das minhas atrizes preferidas e meu ideal de beleza desde que vi sua interpretação em Orlando (um dos filmes que mais gosto). A própria vida real da Tilda é bem pra frentex né? Ela vive na mesma casa com o ex- marido e o atual namorado, é uma mulher que não tá nem aí pra julgamentos e regrinhas sociais! ~tipo eu~

Ah e o nome do filme em inglês é "Only Lovers Left Alive" (algo como "somente os amantes permanecem vivos"). É de uma sutilidade incrível como somente na última cena você "entende" o porquê do nome. ;)


Mesmo que de 5 anos pra cá a moda alternativa tenha nos dado milhões de possibilidades acessíveis em termos de acessórios, eu ainda faço uso de alguns truques que invento ou pego ideia por aí.

Uma das coisas que eu gosto nas subculturas e nas estéticas alternativas é a desconstrução: use um produto não exatamente da forma que foi feito pra ser usado, reinvente, desmonte a ideia original. Use o que quiser e como quiser.


Pulseira como Tiara
Essa pulseira eu comprei em 2002 na época em que a moda clubber dava seus últimos suspiros. Comprei de um camelô que ficava andando na R. Augusta em frente à Galeria Ouro Fino (uma galeria de moda alternativa que eu frequentava) em São Paulo. Na verdade comprei duas, uma azul e essa rosa. Ambas brilham na luz negra e foram feitas pelo próprio camelô. E foram super bem feitas, porque veja quantos anos já se passaram e ainda estão inteiras!


O truque é simples: coloco bastante laquê no cabelo pra ele não ficar saindo do lugar. Abro a pulseira e prendo-a com grampinhos nos cabelos duros de spray. Daí coloco presilhas maiores nas duas bordas pra esconder os botões de pressão. 

Dá pra ver os grampinhos e a presilha tapando os botões de pressão

O mundo nos oferece tanta coisa pra comprar pronta que nos habitua a no primeiro impulso comprar uma peça nova. Será mesmo que precisa? Ou basta usar a criatividade e  se virar com o que tem? Um pouco de rebeldia pra desconstruir o dito como "certo" é uma liberdade criativa que não podemos perder!!


Chove e fica nublado há praticamente três semanas. Antes disso e durante, até fez uns 2 ou 3 dias de sol (27°) mas daquele tipo que de manhã e à noite você precisa mesmo usar um casaquinho ou bolero! Eu uso meia calça ou legging e calça de frio em casa há tempos! Nem consigo lembrar o último dia que usei as pernas nuas pra sair.

Desse clima úmido eu não sou muito fã, desumidificador de ar é necessário alguns dias e o muro, bem, ficou cheio de musgo. Não que eu não curta, é a natureza, portanto não estranhe se uma parede "verde" de repente invadir uma foto minha. Ela também tem direito. Quando o sol chegar forte o musgo logo vai sumir. 

O vento uiva e hoje ele está vindo do sul. O vento sul sempre é frio. Sempre! Já o vento norte (que estava ontem) não, é mais morno ou "normal". É um vento incessante há mais de 24 horas. Uns tempos atrás ventou assim por 3 dias direto, era uivo atrás de uivo e eu me perguntava até quando duraria. E sim, não tem usina eólica por aqui, acredite! A energia do vento não é aproveitada.

E a chuva? Vejo São Paulo clamando por chuva e aqui, é tanta água, mas tanta água caindo por vários dias que eu nem acredito na quantidade, só penso em como somos burros de não aproveitar essa água que cai do céu pra uma cisterna (até dei uma olhada em algumas ideias) e até mesmo nosso governo né? Que poderia captar esse mundaréu de água e dar um destino legal pra sociedade.

Bom, semana passada eu não vi o eclipse. Tava chovendo, mas no dia seguinte, à noite, fomos "presenteados" com um blackout na cidade! Nessas horas as velas e as luzes de led ajudam, fomos pra fora de casa pra passar o tempo, o céu clareou e milhões de estrelas apareceram, algumas que eu nunca vejo! Se estivesse um pouco mais escuro acredito que até a via lactea daria pra ver, porque tava muito, mas muito escuro.
Peguei a máquina e não resisti, dei um zoom bati uma foto da lua cheia! Ficou parecendo um melão hehe! E é com ela que termino o post. ;)



Para os celtas, o mês de outubro era consagrado à Cerunnos, o Deus Cornífero (falo um pouco sobre ele aqui) da natureza, do submundo, da fertilidade e da vida. Lá no Hemisfério Norte, os pagãos estão celebrando o começo do outono.


Existem brasileiros que praticam a roda do ano do Hemisfério Norte, mas muitos seguem nossas estações, no caso, a Primavera. Eu me sinto mais à vontade pra celebrar os ciclos do hemisfério sul, pois é aqui que habito e que percebo as mudanças da natureza. Mas boa parte do pessoal gosta de celebrar a roda do ano do norte por causa do... Halloween! Pois é. Tô querendo falar um pouco mais disso em breve...

É época de cor e flores!!

Ostara chegou à nós há uma semana atrás e o que mais gosto da Primavera, é o renascimento. O renascimento da natureza, da vida, da prosperidade... é engraçado porque um de meus filmes preferidos é O Jardim Secreto, sinto esse simbolismo naquela obra, quem não lembra de Dickon cortando um ganho de árvore seca no inverno mostrando que havia vida hibernando lá dentro? E Lady Mary jogando sementes na terra seca e um tempo depois vem a chuva e o jardim fica maravilhosamente florido? Fora a cena que o trio faz um ritual em torno da fogueira para que o pai volte para reencontrar o filho! E o filme tem isso mesmo, um toque de magia, dos ciclos da natureza e da vida, do renascimento que a primavera trás, visível na mudança no Colin, em seu pai e até mesmo em Lady Mary que era garotinha mimada e arrogante.




Nessa época, acho que nosso organismo deve começar a ficar mais leve pra chegada do verão, então gosto de melhorar minha alimentação aproveitando as frutas que virão em abundância pós inverno. Ter sempre a fruteira cheia delas, é um simbolismo de fertilidade da terra, que nos dá alimentos.


Também volto a incluir alguma cor nos meus looks, seja numa saia, num acessório... sei lá porque inventei isso, mas sinto que é meio que uma representação das cores da primavera/verão em mim!


Passeie bastante em parques, jardins, sinta a vida retornando do período de hibernação, enfeite a casa com flores, frutas, plante uma árvore, cuide do jardim, coloque flores no cabelo e aproveite esse simbolismo de renovação pra reinventar sua vida.



Tem gente não lê o papel das instruções da tintura de cabelo. Vai lá no youtube e procura "Como usar a tinta tal" e depois ainda deixa uma dúvida nos comentários. Dúvida que está lá, claramente sanada e ilustrada no papel das instruções... 

Estamos desaprendendo a ler? Estamos focando na audição e no visual? Porque ao invés de continuarmos independentes no aprendizado, recorremos aos explicadinhos timtim por timtim do outro? Precisamos de ajuda pra pensar?

Ainda saberemos escrever? Ou só restarão garranchos por falta de prática da escrita?

Eu sento e e leio as instruções completinhas do produto em silêncio, comigo mesma ou tomando um café, refletindo, aprendendo. Gosto do processo da descoberta solitária, aprender e se sentir capaz de fazer tudo. E se rolar dúvida, reler.

E eu fico com minhas caveiras, pensando... qual a psicologia do ato de confiar mais num vídeo do que nas instruções do papel? Qual o ponto que a pessoa faz esta escolha? Será que se sente menos solitária? Será que se sente mais auto confiante? Será que pensa que por ter outras meninas usando, também será parte de uma turma e será abraçada? Será medo te tomar uma decisão sozinha, raciocinando por si mesma?  
Será que procura aceitação, compreensão, ser ouvida, algo que um pedaço de papel não pode lhe dar?

Ler é um aprendizado, uma pausa no tempo/espaço onde você fica com você mesma.


 


Nunca fui uma princesa Disney.

Ilustração de Errol Le Cain

Lembro de quando criança assistir Branca de Neve e ficar o tempo todo olhando pra trás no cinema. Ela me entediava.  Mas eu adorava a roupa dela!

Lembro que minha mãe assinava revistas Disney (e também as da Turma da Mônica e da Luluzinha) para que eu aprendesse a ler rapidamente e me divertindo. Quando as revistas chegavam, eu folheava as páginas e ia direto pras histórias da Maga Patalógica e da Madame Mim. Ou então as da Margarida! Adorava a Margarida (ainda adoro), ela tinha atitude, era engraçada e não era uma mocinha passiva...

Eu gostava da Princesa Aurora, a Bela Adormecida! Numa das revistas Disney, o castelo da Bruxa era tão lindo, mas tão lindo, num abismo cercado de espinhos que eu achava aquilo aterrorizante e fascinante.

Como adorava Contos de Fadas, um dia meus pais me presentearam com uma coleção de livros dos Contos de Grimm e Contos de Andersen e percebi que eles (Grimm) eram os reais autores da Bela Adormecida, da Branca de Neve, assim como da Rapunzel. Algumas histórias destes autores eram bem soturnas, mas talvez tenha sido bom pra mim, porque Contos de Fadas não eram somente finais felizes. Podiam ser reflexivos.  

Minha mãe me dizia "todas as mulheres são bruxas" - quando ela dizia isso, era porque as mulheres entendiam o ciclo da vida, tinham ligação coma natureza. Mas uma vez alguém me disse que nem todas as fadas eram boas. E, quando mais velha, li um pouco sobre fadas irlandesas, diziam que elas habitavam lugares escuros...


Não sei se um dia serei uma princesa Disney. Talvez o imaginário de Grimm tenha ficado muito forte em mim. E não apenas isso, as ilustrações dos meus livros (ainda os tenho) são tão ricas - ilustrados por Beverlie Manson e Errol Le Cain!! - que marcaram a minha mente de criança. Aquele mundo fantástico, surreal e colorido...

Acho que sou uma princesa de outros contos de fadas, de outros autores, de outros ilustradores, de outro mundo...
 
 

 As fotos do post são ilustrações de Beverlie Manson e Errol Le Cain. São riquíssimas ilustrações para a mente de uma criança...



"Muitos artistas do gênero já chegaram a idade avançada, muitos faleceram, outros por conta dos abusos cometidos na juventude não são mais os mesmos, outros parecem ter parado no tempo e usam o mesmo estilo e possuem os mesmos pensamentos a décadas. Outros com a crise de meia idade, recorrem a procedimentos estéticos muitas vezes duvidosos para que o tempo congele. Parece ser uma descrição que se limita apenas a artistas, mas todo mundo conhece uma pessoa ou outra que de longe não é uma estrela do rock, mas que está no mesmo patamar que os rockstars, uns mais e outros menos... Pensando nisso, esse projeto sugere mais uma reflexão: Será que aos poucos esse estilo de vida pode se dissolver por não se reinventar?
Será que o rock envelheceu ou os padrões antiquados e que não acompanham essa nova geração, faz com que tudo pareça tão obsoleto e careta? É uma coisa para pensar e queremos que saber a opinião de vocês nesse projeto!"


Bom, a data deste Projeto era ontem, mas não deu mesmo pra revisar e publicar. Eu queria muito participar então, aqui está! :D

Vocês sabem que o Rock engloba muuuuito estilos né? Então, vou generalizar. Quem quiser pegar um ponto ou um estilo específico pra debater, faça nos comentários.


Em termos de música: Bom, pra  mim o rock não morreu e se reinventa todo dia. 
Basta dar uma olhada na quantidade de bandas novas que surgem com sons novos, novos estilos, novas misturas, novos visuais. O que acontece, na minha opinião, é que muitas pessoas julgam o rock pelo que tá rolando no mainstream. A pessoa não escuta rock no rádio ou na TV e pensa que não existe mais o estilo. É um erro medir o rock assim porque rock tem aquele pé na rebeldia e contestação e o mainstream prefere divulgar bandas machistas, misóginas, mulheres lindas e no padrão de beleza porque assim eles mantém a gente dentro do controlezinho de consumo de um estilo de vida...
Se você quiser ver como o rock se reinventa sempre, basta dar uma olhada (ou ida) ao underground. Aliás, o Rock in Rio mostrou alguns exemplos de bandas nacionais com estilo próprio (Project 46 + John Wayne - viram o visual caindo pro street/sport do vocal??) e também a banda Royal Blood que é só baixo, bateria e vocal: se esses não são exemplos claros de reinvenção, então não sei o que são...


Em termos de artistas do rock:
O rock é um estilo muito juvenil. Joan Jett este ano, num evento, disse que o Rock torna os roqueiros eternos adolescentes. Quando ela diz isso, ela quer dizer que os roqueiros mantém pra toda vida o questionamento, a contestação da sociedade. Coisa que as pessoas "normais" perdem quando "se tornam adultos" e se acomodam.
Roqueiros não se acomodam.
Claro que alguns levam a juventude pro literal, fazendo plásticas rejuvenescedoras, mas acho que isso tem a ver tanto com a cultura de um país (alguns países pregam mais a juventude do que outros) quanto com pressões comerciais e gosto/auto estima.

Aqui, eu abro dois tipos de opinão:
A questão da grana: Alguns artistas (e também pessoas) encaretaram porque mudaram de classe social (estão ricos) e com isso adquire-se privilégios que eles não querem perder. Aqueles caras que na juventude contestavam porque eram pobres e à margem da sociedade, com o rock, enriqueceram e hoje são parte da elite social. Encaretaram porque o que eles queriam conquistar - uma melhora de vida - já foi conquistado. E vivem o Rock por diversão.
Cazuza fala disso em Ideologia: "aquele garoto que ia mudar o mundo Frequenta agora As festas do "Grand Monde"// aquele garoto Que ia mudar o mundo Agora assiste a tudo Em cima do muro".
E pra mim é isso, essas pessoas perderam suas ideologias, talvez porque já as tenham conquistado...

Se você questiona, se revolta por ser somente vítima do sistema pode acontecer de, quando você ter acesso à outra classe social mais elevada, seus questionamentos cessem porque você será parte dos privilegiados. Agora que adquiriu os privilégios, vai se revoltar com o quê? Vai querer perder/dividir os privilégios? O contrário, se tornará conservador para não perdê-los...

Acredito que muitos rockeiros enfrentem dilemas sobre se encaixar ou não socialmente quando tem filhos - acho que esse é o principal ponto de mudança de visão de mundo na vida destas pessoas: criar um filho. E pra criar um filho, será preciso seguir, certas regras sociais (aquelas que tanto se lutou contra). E é aqui que muitos roqueiros ou encaretam pra criar cidadãos "corretos" ou tentam, com adaptações, criar filhos dentro do sistema, mas educando de forma a serem questionadores. O documentário Pais e Punks fala disso.

Em contrapartida: Pra alguns roqueiros o questionamento - ou rebeldia - é muito mais uma questão de personalidade do que de idade ou classe social. O foco deles não é enriquecer, pois mesmo ricos, eles mantém suas ideologias e não se importam de compartilhar com os outros seus privilégios adquiridos.
Se a sua sua real essência é o questionamento, se você não tá no rock pra enriquecer ou "catar mulher", você vai questionar independente de estar pobre ou rico, famoso ou anônimo. Sim, é possível ser rico e questionador, há vários artistas assim (Ed Vedder do Pearl Jam, Patti Smith, Kim Gordon...).
Porque o questionamento não é somente uma rebeldia, é uma atitude da alma (ou mente), tem a ver com não ser um cidadão passivo que aceita tudo que a TV, o jornal, a política quer te impor como regra de vida.


Em termos pessoais:
Pra mim o rock não envelhece, o que envelhece são as pessoas rsrs! Fisicamente, e não mentalmente.
Praticamente repito o que disse acima:   Se a sua sua real essência é o questionamento, você vai questionar independente do rock estar "na moda" ou não. Uma coisa que o rock te dá é a liberdade de você ser como você quiser! Isso é uma coisa que a sociedade finge que te dá, porque na verdade ela quer te vender produtos.

Eu acho que o rock se reinventa todo dia, a questão é que algumas pessoas não aceitam o novo seja por choque de gerações, seja porque é algo "diferente" do que eles "aprenderam" como sendo Rock. Um exemplo é a turma que até hoje não aceita o nu metal. E quando foi dita aquela famosa frase do Manowar "morte ao falso metal", ela se dirigia à tudo que não fosse Trad Metal. E virou uma gozação, porque né? ... praticamente prega que o rock/metal não deveria evoluir e que todos nós deveríamos ouvir apenas Trad!

À medida que a sociedade e as pessoas mudam, o rock também vai mudar porque é uma subcultura muito ligada à questões sociais.

Um exemplo ótimo de roqueiro que mesmo tendo subido na vida é questionador por essência, é Corey Taylor. Na verdade, essa frase dele que li essa semana, responderia perfeitamente esse Projeto.
Ele fala praticamente o mesmo que eu, mas sob outro ângulo: que o mainstream despreza o rock porque o rock questiona e prefere "vender" um estilo de som e de vida que eles podem controlar. E no fim, ele fala da reinvenção do Rock.


"O motivo pelo qual o mundo corporativo e o mundo pop não suportam o Metal é porque eles não podem usar a nossa música para vender coisas. Eles não conseguem usar a nossa música pra vender seguros de carro, hambúrgueres ou refrigerantes. Então eles falam mal da gente, eles nos desprezam, e nem nos reconhecem em premiações. Mas o fato que nós não precisamos deles, deixa eles tão putos, que eles ficam loucos de raiva que nós conseguimos ser headliners de grandes festivais e promover as nossas coisas sem precisar da ajuda deles. Isso deixa eles absolutamente com muita raiva da gente. E quer saber? Fodam-se eles, se eles não nos entendem! Se eles não querem nos ajudar a manter a nossa música viva, eles que se fodam! Nós vamos seguir fazendo nossa música com ou sem eles. E isso deixa eles loucos. Dá pra sentir que o Heavy Metal e o Rock N’ Roll estão voltando com força total. Dá pra sentir isso nas ruas. Cada vez mais forte. E isso deixa eles loucos de raiva.  Eu não tenho problema com a música pop em geral. Eu adoro a música pop dos anos 80. Mas a música pop atual é escrita pelas mesmas 5 ou 6 pessoas, e por isso todas as músicas soam exatamente iguais, todas elas falam exatamente a mesma coisa, essa merda de amor pra cá e pra lá. E tudo é acertado digitalmente, auto-tune, e tudo é processado e enlatado. Não tem vida. Não tem alma. E eu me pergunto “é isso que as pessoas ouvem hoje? Esse é o som pop de hoje em dia?”. E é tão “Disney” que é um insulto, pra ser sincero. E é por isso que muitas pessoas estão indo na direção do Heavy Metal e do Rock N’ Roll de novo. Porque elas estão cansadas da mesma merda, de novo, e de novo, e de novo. Chega. E ponto final.  Eu acho que o futuro do Metal é muito promissor. O Heavy Metal pode se adaptar e adquirir diversas formas. Musicalmente, o Metal incorpora tantos elementos distintos que você pode pegar uma coisa aqui e outra ali e montar o seu próprio estilo e é assim que a música se perpetua e continua e se expande e evolui."



Blogs Participantes:
Cinderela Smile
Femme Toillet
Lady Dark´s
Corey Taylor participou do Projeto também! Um viva pra ele! :D



Essa Tag é indicação do blog da Jaque, o 4sphyxi4. Ela disse que quem quisesse podia responder e cá estou (demorei!!) pra ver se me animo a dar um up neste blog.

Lendo as perguntas e as respostas das meninas que participaram dessa Tag, achei as minhas respostas bem diferente das delas. Eu viajei legal nas respostas, afinal, são perguntas hipotéticas, então eu também dei respostas hipotéticas! Mas eu imagino que vai ter alguém que não vai entender que são hipotéticas e criticar, sempre tem...

O que seria da cultura alternativa se a gente não brincasse com o conceito de corpo? 
Tem gente que adora ser como nasceu, como as meninas que li as respostas, mas eu gosto de me mudar a cada fase que tenho na vida. Acho que mereço me tornar a "pessoa" que quiser através da aparência! Gosto de brincar com moda, com arte!

Tem quem tinge cabelo de colorido, quem se tatua, quem faz tight lacing... a história nos mostra que o desejo de modificação da aparência é do homem e não há nada de errado com isso.
E querer se mudar não tem necessariamente a ver com falta de auto estima e falta de auto aceitação e sim, expressar quem você se sente realmente por dentro! E pra isso precisa-se ter auto estima!

Que diríamos daquela subcultura japonesa que escurece a pele pra se assemelharem ao negros? Ou das meninas que viram bonecas? E o que seria da Elke Maravilha sem suas perucas inspiradas em cabelos dreads - ela sempre declarou que não curte seu cabelo louro!

Então, achei isso legal na tag, a oportunidade de dizer que assim como essas pessoas citadas, eu desejaria sim coisas diferentes, pra criar a pessoa que quero ser. Eu não seria eu se não quisesse me mudar o tempo todo e talvez por isso mesmo eu tenha me interessado por arte, moda e história - porque me ensinaram que o ser humano sempre brincou com estéticas e que isso é super!

Gosto dessa imagem, acho que tem a ver com "como nasci/fui criada" e como eu me enxergava/queria ser. 

01.Você gosta de seu nome ou mudaria?
Sempre tive problemas na escola com meus nomes, ninguém sabia pronunciar corretamente. Aí fico pensando... pô, se me tivessem dado os nomes de "Ana" ou "Maria", minha vida seria BEM mais fácil. kkkkk Por que os pais complicam nossas vidas com nomes incomuns??
Descobri há pouco tempo que a lei brasileira permite que um cidadão troque de nome entre os 17 para os 18 anos. Passou disso, só na justiça.
"Sana" é um nome comum especialmente na Índia e no Oriente Médio. Tem origem persa/árabe e significa "a brilhante", "a aurora do dia", "o amanhecer", "esplendor", "radiante". Deriva de Rossana, Roxana, Roxanne... e ficou mais popular a partir do século XVIII.

02. Gostaria de ser mais velha ou mais nova?
Eu tenho paixão por cultura juvenil!! Não à toa tenho esse interesse no estudo de culturas de juventude/subculturas.
Eu adoro conversar com jovens especialmente pré adolescentes e adolescentes, seja de qual classe social for ou qual estilo. Sou fascinada pela forma como eles "entendem" o mundo e como se expressam nesta idade.
 
Queria ser mais nova, até quando eu era nova! Mas veja bem, isso não tem nada a ver com negar ou não aceitar a idade que tenho. Até porque tempo não volta e - modéstia à parte - eu acho que estou até bem pra uma balzaca! A pergunta é hipotética, então vamos lá!
Lembro que quando eu tinha 17 eu queria ter 15 enquanto minhas amigas queriam ter 18 logo! Talvez porque eu sempre tenha sido muito juvenil (de espírito) e fui percebendo que ser juvenil não era algo bem aceito na medida que eu ia crescendo, tínhamos que ser "mulheres", "sensuais" e eu: WTF?? não me sinto assim (eu sempre desencaixada nesta vida...).

Mas também acredito que seja porque quando se é mais nova você pode fazer loucuras e isso é tolerado. Quando mais velha você tem que ficar prestando contas sobre o "porquê" fez aquilo, "por que plantou bananeira, você já tem 30 anos!", "porque tá usando essa roupa?", "nossa que vergonha uma mulher na sua idade se comportar assim"
Ai que regrinhas chatas...
Do tempo não se tem escapatória, mesmo sendo jovem de espírito.

03. Você gostaria de ter nascido loira, morena, ruiva, negra ou mulata?
Queria ter nascido loira porque não precisaria descolorir o cabelo pra pintar das cores do arco íris. Fora que eu poderia tingir de ruivo usando oxigenada de 10 volumes e não a de 30 ou 40! Descoloração sucks!!
Mas eu nasci ruivinha e depois fiquei castanha.
Meu tom de pele é amarelado, por mim ok ter nascido com essa cor, eu gosto, não mudaria. Latinidade rules. 

Ah, mas lembrei que tive uma fase de querer ser branca a todo custo! Xingava o sol, não ia na praia e ficava emburrada quando os programas envolviam ar livre. Daí um dia percebi que eu tava inconscientemente reproduzindo um pensamento vira latas de não aceitação da minha miscigenação brasileira, tipo "as góticas gringas são brancas de morte PRECISO ser também"; e que isso não tinha nada nada nada a ver com meu estilo de vida. Daí, mandei um singelo phoda-se pra esse "embranquecer" que é uma reprodução de uma imagem do exterior e desde então sou infinitamente mais feliz. 
O sol é quente porque é uma estrela e eu quero ser parte do brilho estrelar dele *_*
 
04. E quanto a cor dos olhos, azuis, verdes, castanhos ou pretos?
Não me importo de ter olhos castanhos, eu posso usar lentes de contato pra mudar de cor!
E não tenho nenhum problema em dizer que adoro mudar a cor dos meus olhos artificialmente, faz parte da minha auto expressão estética. Na verdade quero testar mais e mais cores de lente (mas sou viciada na cinza...).
Nas fotos pode não parecer muito, mas pessoalmente dá pra ver de cara que uso lente colorida, é artificial e todo mundo nota. Mas isso é o de menos pra mim, eu não escondo.

E vale dizer também que sou míope, o que faz com que minha relação com meus olhos seja algo diário, então, se eu preciso de lentes pra corrigir um "defeito" visual, porque não me divertir em cima disto?? Why so serious?
 
05. Seu cabelo é natural ou tingido?
Tingido. Tingi direto dos 14 aos 18, fiquei uns 2 anos sem pintar e agora tem uns 10 anos direto que não uso na cor natural.

06. Gostaria de ser mais alta ou mais baixa?
Mais alta! Tipo 1,80 no mínimo! E usaria plataformas e saltões pra parecer uma ET (ETs são altos??).

07. Gostaria de ser mais magra ou mais encorpada?
Eu sempre fui magra e adoro ossos e esqueletos do corpo humano, acho-os lindos!!
♥ ossinhos ossinhos ossinhos ossinhos ossinhos
Segredo: eu sempre reparo nos ossos das pessoas...
Sim, eu sou estranha. Mas disfarço bem. Ou não hehe 

08. Você é mais menininha ou desencanada?
O que seria menininha e o que seria desencanada? É no sentido de moda ou comportamento?
Desencanada talvez seja uma coisa meio jeans, camiseta, chinelo, relax brô? 
Se menininha for algo tipo "feminina", sim, eu prefiro peças mais femininas. Mas nas atitudes me acho desencanada.

09. Você prefere calça jeans ou shorts jeans ?
Nenhum. Não uso esse tecido (blue jeans). 

10. Prefere vestido ou saia?
Saia. Porque com uma só, posso usar dezenas de blusas e variar nos looks!

11. Prefere macacão ou jardineira?
Nenhum dos dois. Talvez eu arriscasse uma salopete por ser saia embaixo.

12. Prefere usar sapatilhas e/ou saltos? Ou tênis e chinelo?
Prefiro sapatilhas e sapatos baixos no dia a dia. Saltos só se for anabella ou plataforma. 
Chinelo vou na praia e tênis pra exercício físico. Mas tem All-Star né? Esse eu uso no inverno o de botinha.

13. Você compra mais produtos de maquiagens e/ou cosméticos? Ou roupas e acessórios?
Quase não compro maquiagens e cosméticos. Posso passar meses sem comprar nada desta categoria. 
Compro com certeza mais roupas e acessórios.

14. Você se arruma mais pro dia, tarde ou noite?
Tarde!
De manhã só quero colocar uma roupa prática. Se eu for sair à tarde (ou trocar a roupa para esse horário) piora, porque eu tendo a me arrumar muuuuitoo!!
À noite é o horário que tenho um pouco de dificuldade de me vestir porque inconscientemente tem aquela história de que na nite os gatos são pardos e que a gente precisa seduzir ou conquistar pessoas, como se a gente precisasse "montar" um personagem. Então eu preciso de cautela pra não vestir um personagem e sim, vestir eu mesma mais elaborada. Mas acho que isso depende de onde se mora sabe? Porque se eu morasse numa cidade super quente como o RJ acho que eu seria mais desencanada com os trajes noturnos...

15. Qual celebridade você gostaria de ser?
Celebridade... alguma bem ryca e poderosa mesmo...tipo a Oprah!
Meu nome ia ser "Soprah" (S de Sana né?)

16. Defina-se em 3 palavras:
Maravilhosa, inteligente e Dyva!
kkkkk :P
Não, péra!
Punk, gótica e rocker!
Calma que eu tô indecisa. Posso ser tudo isso junto?

Indicação pra responder a tag: a Dyva vai indicar todas dyvas leitoras deste blog! :D
Só não esqueçam de linkar.


Por que pausei o blog:
Já tinha umas semanas que vinha pensando em pausá-lo. 
Pausei por motivos de:

me sentir pessoalmente desencaixada na blogsfera

Minha cabeça tá em conflito com o mundo bloguístico atual.
Como looks, make e esmaltes são a base dos blogs atuais e eu não tô conseguindo me encaixar nesses temas... me sinto no vácuo. 


Sinto necessidade de interagir com abordagens diferentes, mas não necessariamente inovadoras. Uma visão de mundo mais ousada e artística, mas ao mesmo tempo "comum" e acessível. 

Yeah, isso tudo tem me desanimado, ao mesmo tempo que eu estou procurando uma outra forma de me auto expressar. Já basta eu ter que encarar a vida sendo uma outsider agora me sinto assim na blogsfera também, e isso é digno de uma ausência.


Dei um tempo pra refletir sobre se estou me expressando bem e como estou me apresentando pro mundo.
E se ainda quero continuar, ou melhor, se ainda sinto a necessidade de bloggar a minha visão pessoal ou se já expressei tudo que queria.




ATUALIZAÇÃO:
Uns dias atrás eu fechei o blog pensando que era simplesmente fechar e sumir do mapa rsrs! Me enganei.
Obrigada a todas que mandaram mensagem, acabei reabrindo porque vocês tocaram meu ♥

Então pra todo mundo ficar de boas vou fazer assim: deixar o blog aberto mas por enquanto sem atualizações frequentes.

Quem quiser me acompanhar: Vocês podem me encontrar no meu instagram pessoal, no meu Tumblr ou no blog Moda de Subculturas (IG do blog) que são os lugares que tenho postado links, matérias e looks ;)


Um dia, uma pessoa que conheço, soltou a seguinte frase: "eu já uso essa estética que está na moda (Witchy inspired) faz teeeempo, antes do modismo e sou cristã, não sou bruxa não quero ser e nada me impede de usar, tá bom?".

A pessoa disse isso pensando que eu ia implicar com ela, inocente... digo e repito: NADA impede qualquer pessoa de usar roupas witchy inspired (e nem Strega) por um motivo simples: elas são roupas como qualquer outra, são moda, são estilo, cristãos podem usar, protestantes podem usar, budistas podem usar, crentes podem usar, ateus podem usar...

Elas não são roupas "de bruxa". Elas são roupas inspiradas num estereótipo, num imaginário popular de como se vestiria uma bruxa, mesmo porque bruxas (as pessoas) tem vários gostos de moda e não são necessariamente este que está na moda!

Existem bruxas que são executivas, que são "hippongas", que são góticas, que são "do Metal", que são jeans e camiseta, que são donas de casa... e cada uma delas se veste do próprio estilo... então, se a pessoa pensou que eu ia implicar com ela porque ela é cristã e usa witchy --> se enganou!

O ponto que critico e que não faz sentido pra mim é uma pessoa usar witchy inspired, especialmente os símbolos e ter preconceito com o paganismo. Aí sim acho que super complica. Aí eu estranho... Porque é como se apropriar só do lado legal de uma coisa mas rejeitar aquela coisa.
Se a pessoa curte witchy e usa "há anos" ou se começou a usar ontem, já é um sinal que ela pode não ter preconceito já que sente atração por aqueles símbolos e pelo imaginário da magia.

Além de estar na moda, as roupas estão bem lindas, então acho que muitas meninas vão descobrir a bruxaria por cauda do modismo e quem sabe isso não abra a mente delas para perder o preconceito com o paganismo?
Afinal, se o modismo coloca as pessoas em contato com o estereótipo, por que não aproveitar a chance e aprender um pouco sobre o assunto?

Edição 29/08:
Esqueci de falar uma coisa: o Strega e o Witchy são um estilo de moda alternativa. Não são subculturas. ;)





Eu vou finalizar o posts sobre "O que é Wicca?" com esta parte 3, o que deixei de fora são as infos fáceis de achar em sites confiáveis e também acho que vai de quem se interessar, corre atrás! :D 

O que é Wicca? (Parte 1)
O que é Wicca? (Parte 2)

O Individualismo
Wicca é uma escolha pessoal para aqueles que sentem que a sua percepção do sagrado não se enquadra nos esquemas tradicionais. É algo muito individual para se sujeitar a conjuntos de regras e crenças que outros determinaram. As poucas regras existentes na Wicca têm um caráter essencialmente funcional e são vistas não como mandamentos, mas como simples normas de relacionamento entre pessoas que partilham interesses comuns. São princípios genéricos ligados a valores ecológicos e individuais. Cada membro deve decidir, praticar e dirigir as suas práticas e rituais. Quem vai parar na Wicca,  são pessoas que consideram o homem e todas as outras criaturas viventes bem como os espaços onde habitam como sagrados.


No neo-paganismo nota-se uma ausência de proselitismo. Os Pagãos não divulgam sua religião de porta ema porta, como de um modo geral, não dão evidências explícitas de pertencer a este movimento.  Optam por ter uma atitude discreta, pois pensam que a aproximação ao Paganismo deve resultar de uma escolha individual ditada por interesses e necessidades interiores. Esta discrição também se deve à falta de aceitação, ao medo e à desconfiança que a sociedade tem em relação aos Pagãos. Assim sendo, a Wicca não tem convertidos, a pessoa se descobre pagã. Normalmente as pessoas já gostavam ou já se praticavam ou já se tinham a visão de mundo da bruxaria mas não sabiam (por falta de informação) - até que descobrem que o paganismo é o que já se encaixava na visão de mundo delas.


No passado, a Igreja tradicional chegou a transformar várias deusas pagãs em diabos masculinos não somente para corromper as deidades da Religião Antiga como também para apagar o fato de o aspecto feminino ter sido objeto de adoração. Quando se fala da Inquisição, muito se pensa em "heresia" quando em 1320, a Igreja (a pedido do Papa João XXII) declarou oficialmente que a Bruxaria e a Antiga Religião dos pagãos constituíam um movimento herético e uma "ameaça hostil" ao Cristianismo. Mas é muito interessante observar que, pra uma pessoa ser considerada herética, ela tem que primeiro, ser cristã, e se os Pagãos nunca foram cristãos, portanto foi um grande ato covarde considerar pagãos como seres heréticos. Dentre os atos que pessoas consideradas heréticas sofreram estavam tortura, estupros, forca, fogueira, prensagem até a morte ou espichamento do corpo até ser desmembrado, afogamento, decapitação e o esquartejamento (infelizmente me faz lembrar do ISIS hoje em dia), entre outras atrocidades. Somente em 1951 as leis contra a bruxaria foram revogadas na Inglaterra, possibilitando que aos poucos as pessoas se revelassem.


Portanto, a Wicca é mais baseada na ligação da natureza, ao arquétipo da Deusa Mãe e nos sentimentos e inspirações pessoais dos seus praticantes, do que em quaisquer textos ou ensinamentos, o que a faz ser marcadamente individualista. À exceção de algumas ocasiões festivas em que se reúne um grande número de adeptos (geralmente de diversas tradições) para confraternizar e celebrar conjuntamente determinados momentos significativos, como por exemplo, os Solstícios.

Sobre Bruxaria e Wicca este vídeo da Adriana (Caverna da Bruxa) tem umas perguntas e respostas legais pra quem se interessou e quer saber mais sobre dá pra acompanhar o canal dela.


O que é Magia?
A magia é uma força que combina a energia psíquica com os poderes da vontade. Um dos elementos mais importantes na prática da magia é a sensação. É absolutamente essencial que você possua sensações fortes em relação ao que está tentando realizar para produzir o poder necessário para a realização da magia. É também muito importante usar a visualização criativa, também conhecida como "imaginação desejada". Sem a sensação e a visualização criativa é extremamente difícil (se não totalmente impossível) a magia funcionar. A escolha da forma (ou formas) de magia a ser praticada depende somente da preferência pessoal do bruxo e/ou da tradição wiccana.
Para que a magia funcione apropriadamente, um bruxo deve trabalhar em perfeita harmonia com as leis da Natureza e da psiquê. A lua e cada um de suas fases são a parte mais essencial, sendo extremamente importante que os encantamentos e os rituais sejam realizados durante a fase lunar apropriada. É importante corpo e mente saudáveis e capacidade de aceitar a responsabilidade pelas suas próprias ações. É impossível obter magicamente resultados positivos se seu nível de energia estiver baixo ou se seu corpo estiver contaminado. Para ser capaz de produzir poder, o corpo físico deve ser mantido em condição saudável. Inclusive essa é uma das respostas que a Adriana dá no vídeo acima: pessimistas não conseguirão realizar magia.

Programa da TV Brasil Wicca: Cânones e Tradições, clique na imagem pra assistir.
http://tvbrasil.ebc.com.br/retratosdefe/episodio/wicca-canones-e-tradicoes

Por enquanto finalizo aqui, embora ainda ache que tem coisas legais a serem abordadas sobre Wicca e Bruxaria num geral e quando der na telha eu posto haha! Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre e que o modismo traga algo de positivo nisso tudo.


Fontes do texto:
A feitiçaria moderna, Gerina Dunwich.
A Dança Cósmica das Feiticeiras, Starhawk.
As Bruxas do Brasil, Micaela Elegel.
Dreaming the Dark, Beacom Press.


Nem todas as pessoas que seguem os preceitos da bruxaria ou da ramificação Wicca falam abertamente sobre. Normalmente se mantém escondido ou apenas pessoas próximas sabem. Isso acontece porque existe muito preconceito na sociedade.
Como eu contei no post anterior, descobri Wicca quando pré-adolescente, eu já tinha uma queda por coisas místicas e já me sentia desencaixada com relação ao catolicismo, acabou que a curiosidade me levou a, ao longo dos anos ler sobre religiões não-cristãs. Então vou continuar neste post passando mais um pouco de informações adquiridas sobre a Wicca!
* Veja a Parte 1 Aqui e O que é Wicca? (Parte 3)

Deusa e Deus
Para a Wicca, existe um Princípio Criador, que não tem nome e está além de todas as definições. Desse princípio, surgiram as duas grandes polaridades que deram origem ao Universo e a todas as formas de vida. Sendo eles:


O Princípio Feminino ou Grande Mãe - representa a Energia Universal Geradora, o Útero de Toda Criação. É associada aos mistérios da Lua, da Intuição, da Noite, da Escuridão e da Receptividade. É o inconsciente, o lado escuro da mente que deve ser desvendado. A Lua nos mostra sempre uma face nova a cada sete dias, mas nunca morre, representando os mistérios da Vida Eterna. Na Wicca, a Deusa se mostra com três faces: a Virgem (ou donzela), a Mãe e a Anciã, sendo que esta última relacionada à Bruxa no imaginário popular. A Deusa Tríplice mostra os mistérios mais profundos da energia feminina, o poder da menstruação na mulher, e é também a contraparte feminina presente em todos os homens, reprimida pela cultura patriarcal.

Deusa Triplice representada nessa fotografia: as fases da mulher
 

O Princípio Masculino ou Deus Cornífero - da mesma forma que toda luz nasce da escuridão, o Deus, símbolo solar da energia masculina, nasceu da Deusa, sendo seu complemento e trazendo em si os atributos da coragem, pensamento lógico, fertilidade, saúde e alegria. Da mesma forma que o sol nasce e se põe, todos os dias, o Deus nos mostra os mistérios de Morte e do Renascimento. Fechando o ciclo do renascimento que coincide com os ciclos da Natureza e mostra os ciclos da nossa própria vida. Do útero da Deusa todas as coisas vieram, e para ele tudo retornará. E, se pensarmos bem, as mulheres sempre foram mães de todos os homens, pelo seu poder de promover o renascimento espiritual e de toda a Humanidade. 

Festival na Sardenha, Itália,onde homens reencenam ritos pré-cristãos
em homenagem à fertilidade da terra/agricultura.  


Grandes religiões como a Cristã, Islâmica e Judaica apresentam uma longa sucessão de figuras paternas e de valores patriarcais. Essa ênfase no masculino estende-se a todos os domínios da sociedade ocidental. Durante séculos os valores femininos foram relegados para um segundo plano, chegando mesmo a serem identificados com o mal, com o demônio. O Paganismo propõe-se a recuperar a relação entre homem e mulher, que não são superiores um ao outro, se complementam. A Deusa também é importante para os homens. A opressão dos homens no patriarcado é menos óbvia mas não menos trágica que a das mulheres. Os homens são encorajados a identificarem-se com um modelo de pensamento ou estilo de vida que é nocivo para eles também (machismo).

A sociedade Celta era Matrifocal, isto é, o nome e os bens da família eram passados de mãe para filha. Homens e mulheres tinham os mesmo direitos, sendo a mulher respeitada como Sacerdotisa, mãe, esposa e guerreira, participando das lutas ao lado dos homens. Por isso, curiosamente, durante algumas épocas a Wicca andou ao lado do feminismo, onde algumas mulheres acabaram se identificando com A Arte.

Sobre a nudez
Muita gente, especialmente aqui no Br, país de cultura judaico-cristã que prega muita culpa, acha o nudismo algo repugnante. Vemos muitos comentários não aceitando a nudez feminina em passeatas feministas, por exemplo.
Mas aí que está: estas mulheres usam sua nudez retirando a objetificação de seus corpos, pois a objetificação está nos olhos do outro. É o outro que critica a nudez dela e não ela mesma. Porque falo disso? Porque a nudez, na bruxaria, é vista como da mesma forma: sem objetificação. Com pureza, sermos livres de nossos medos e tabus. Pra isso é preciso ter o coração livre de conceitos de culpa pra poder tanto se libertar quanto evitar julgamentos sobre o corpo alheio. É preciso libertar a mente destes bloqueios repressivos.

 


A Roupa Preta
A cor negra na bruxaria não tem nenhuma ligação com o mal, como se costuma pensar erroneamente.
Ela representa o Útero Universal, do qual nasceu toda a Luz, a escuridão da Terra onde germinam as sementes. Ela isola as energias negativas, sendo ótima para ser usada quando se tem contato com grandes multidões ou pessoas negativas, pois impede que a sua energia seja "vampirizada".
Claro, isso vale pra Bruxas (ou pessoas) que trabalharam sua energia. Pode acontecer de pessoas não-bruxas, ou pessoas que tem energias desequilibradas, que ao vestir preto, ao invés de repelir vampirização, absorva a energia das outras pessoas. Por isso é necessário o autoconhecimento, treinamento, pra você ter energias equilibradas e poder usar o preto à seu favor.

Porém, não se deve usar somente a cor negra, pois precisamos da vibração de todas as cores. Eu por exemplo, gosto de quebrar o preto com prata, por isso meus acessórios com spikes ou detalhes em metal estão sempre presentes quando uso um visual all black. Senão, uso cor nas minhas saias (ou acessórios).



Ecologia e Natureza
A Wicca é muito ligada à natureza, por isso há o interesse por questões ambientais, não apenas enquanto base material da vida humana, mas como uma dimensão sagrada. O respeito pela natureza é um valor intrínseco e fundamental no Paganismo. Esta visão distancia-se de uma visão bíblica, na qual, ordenando Deus ao Homem que domine toda a terra e todas as criaturas viventes, pode-se justificar a depredação dos recursos naturais. Os indivíduos que se identificam com bruxaria, são pessoas que considerem o homem e todas as outras criaturas viventes, bem como os espaços onde habitam, como sagrados.
A árvore é um dos símbolos sagrado para vários deuses e deusas. Representa a vida e a Imortalidade. É o símbolo mais poderoso e majestoso da vegetação e teve papel importante em várias lendas da antiguidade. A árvore nos dá flores, frutos, sombra, além de serem necessárias para existir a água. Onde não há árvores, os rios secam. E a natureza morre. Eu já plantei muita árvore ao longo da minha vida, inclusive na calçada e em outras casas que morei e foi triste demais ver os outros moradores simplesmente matando-as, senti como se parte de mim tivesse sido arrancada. Até hoje cuido das árvores que plantei e sou uma eterna apaixonada por elas.



Fitas e desejos nos galhos da árvore.

Até o próximo artigo! ;D


Fontes do texto:
A feitiçaria moderna, Gerina Dunwich.
A Dança Cósmica das Feiticeiras, Starhawk.
As Bruxas do Brasil, Micaela Elegel.
Dreaming the Dark, Beacom Press.