Pequenas felicidades que estão diante de cada janela


Houve um tempo em que minha janela se abria
sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.


****

Esse é o trecho de uma obra chamada A arte de ser Feliz, de uma de minhas poetisas brasileiras preferidas, Cecília Meireles. Esse texto é especial porque foi o primeiro material dela que li aos nove anos de idade num livro da escola e nunca mais esqueci. Ainda hoje me fascina tudo que essas palavras me fizeram refletir.

Pra começar, eu super me identificava com a pessoa que olha pela janela e vê o ciclo da vida acontecer pacientemente, pois sempre fui fascinada pela natureza, um jardim, uma paisagem... Ainda hoje minha janela se abre para árvores e plantas e os passarinhos que pousam nelas. Consigo acompanhar todos os ciclos das estações, qual plantinha brotou, qual está pra hibernar ou florescer.

Mas o que eu acho que esse texto em especial mais me ensinou foi sobre "as pequenas felicidades certas que estão diante de cada janela". Às vezes as coisas que nos deixam felizes estão super perto de nós, ao alcance das mãos, mas por algum motivo, as ignoramos. Achamos que a felicidade está em outra pessoa, num local do globo terrestre ou presente em algum objeto. O texto também fala das pessoas que vão desacreditar de nós... Mas a arte de se ser feliz às vezes é também resultado de um processo, uma mudança, algo que plantamos e demorará a ser colhido. A felicidade está justamente no caminho, na paciência, no dar tempo ao tempo e observar todo dia diante de nós, as coisas tomando forma.

Se a gente abre a janela e só foca nas coisas aborrecidas, a gente perde aquele momento mágico que a vida nos deu de escolher como queremos nos sentir (bem) naquele dia. 
"É preciso aprender a olhar, para vê-las!" As felicidades certas diante de cada janela estão dentro de nós, mas precisamos enxergar com os olhos certos pra não deixar elas escaparem!



♥ Eu gostaria de aproveitar e dizer que exatamente uma destas "pequenas felicidades" vem deste bloguinho e de todas as pessoas que conheci através dele. É uma pena que muitos leitores não se revelem, se não, quem sabe, eu conheceria bem mais "pequenas felicidades" por aqui :)
Eu fico incomodada de não poder estar dando a devida atenção a todos blogs nacionais que acompanho... pois é.... são muitos, como faz pra acompanhar tudo sem deixar ninguém no vácuo por algum tempo?? Ainda estou descobrindo. Se alguém tiver a receita, me passa! Ler posts, pensar, refletir, interagir... Só que em alguns horários, tudo que quero é esvaziar a mente, relaxar de viagens, de ruas e estudar, ler muito e escrever...
Também sou aquela que prefere ler posts, até mesmo pela praticidade do correr de um dedo no celular no momento de espera numa sala... então os posts com vídeo, eu acabo deixando pra "ver por último". Dependendo de onde estou, não posso ter "volume" perto de mim ou ou não posso colocar fones de ouvido, apenas o olhar não basta, precisa-se do som - ouvir a voz, ao contrário de um post-texto, que eu leio enquanto tomo um café, e nisto, um pequeno sorriso de empatia costuma surgir nos meus lábios, dou um suspiro e começo a escrever também. ♥


7 comentários:

  1. Que texto gostoso de ler Sana... ^^
    Super concordo com você. A felicidade está dentro de nós e nos pequenos detalhes da vida que às vezes deixamos passar despercebido. Para sermos felizes, basta querermos ser. E parar de ficar procurando a felicidade em outra pessoa ou outra coisa qualquer.

    Meu blog também tem me feito bastante feliz. As coisas que to aprendendo, a interação com pessoas bacanas, a possibilidade de também poder ensinar, conversar ou apenas inspirar alguém é tão recompensante (acho que essa palavra não existe)...
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A obra da Cecília costuma ser uma delícia de ler, Mone! ;)
      Precisamos treinar nosso olhar no meio da correria da vida diária, pra enxergar as coisas que nos fazem bem, porque se a gente perde essas coisas... aí perdemos momentos que não voltam!!
      Sim, é muito bom pensar nas pessoas distantes que de alguma forma se unem por algo em comum. ♥
      Bjinhos!

      Excluir
  2. "É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã
    Porque se você parar pra pensar, na verdade não há".
    E se somos, eu e vc, piscadas de segundo na contagem de tempo do universo, sermos a felicidade pequenina um do outro nos torna imortais...por uma fração de segundo.
    E aí vemos as pessoas desacreditando, e penso: ei, páre de deixar rastros de lama e comece a usa-la para plantar flores!
    Pois mais belo que as flores são os sorrisos de quem as aprecia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha que engraçado a música que você foi lembrar... que fala sobre "o amanhã", aquele "amanhã" que nunca chega... que quando se vê, já é hoje!
      A gente vive num país tão complicado que é fácil ver os rastros de lama, mas eu tenho preferido ser a pessoa que planta as flores que farão outras pessoas sorrir. Adorei! ♥

      Excluir
  3. Os textos da Cecília Meireles tem esse poder de nos fazer pensar e sentir o que ela passa através das palavras. Gostei bastante dessa sua reflexão. Para poder ver o belo é necessário querer enxergá-lo. Nem sempre se dá a devida atenção ao que nos rodeia e, um clichê que eu adoro, é que de fato a felicidade está nas coisas simples da vida. Esse seu post me fez sorrir. :)

    Beijo da Jehssy.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho alguns livros de poesia dela e às vezes me pego abrindo uma página aleatória só pra ler o que "ela" tem a dizer pra mim hoje rsrs! Amo demais a obra dela uma pena a família restringir a divulgação, ela merecia ser bem mais conhecida!
      E que bom que te fez sorrir, a vida no nosso dia a dia é tão difícil que a gente esquece de "querer enxergar o belo". ;)

      Excluir
  4. Que texto maravilhoso, estava precisando ler algo assim para acalmar meu cérebro que trabalha ansiosamente planejando coisas para o futuro que está tão distante e esquece do que eu posso fazer e aproveitar hoje com as coisa e as pessoas que tenho hoje, adorei esse texto e acho que agora vou passar a aproveitar minhas pequenas felicidades.

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^