Neste fim de semana tirei algumas fotos que pretendo postar em breve, dividir com vocês um pouco do que comprei, fiz e li, também tirei fotos de looks, normalmente os tiro no fim de semana mesmo, nos dias de lazer. 

Ontem eu estava pensando... dizem que se definir é chato e limitativo. Pode ser. Eu realmente não tenho uma opinião formada sobre. Mas penso que se autodefinir também pode ser um baita sinal de autoconhecimento. Que a pessoa sabe do que gosta, do que não gosta, como se sente...

São como os rótulos. Limitativos mas necessários em várias ocasiões.

Se você muda, sua definição muda. E se você percebe isso, é porque você se conhece bem.

Recentemente eu disse que definiria meu estilo, entre vários outros nomes, como "rockstar wannabe"
E é isso mesmo. Quando eu abro o armário pra escolher o que vestir, eu faço escolhas imaginando como eu me vestiria se fosse uma rockstar. E rockstars, se destacam na multidão. E não estão nem aí pra isso.


"Wannabe" costuma ser um termo pejorativo. E quando digo que sou wannabe, estou rindo de mim mesma, tirando sarro, não me levando à sério. Brincar comigo mesma, diversão e alegria trevosa, me faz bem.

As roupas mudam nosso humor. E isso não é papo furado. Se eu estava pra baixo, ao vestir certo look, me vejo no espelho e admiro.
Queria que as pessoas vissem mais a Moda assim, com um poder transformador de auto estima e não somente algo regrado, cheio de modismos, materialismo e consumismo.
Queria que as pessoas usassem a moda, a roupa, como extensão de sua felicidade.

Cabelo já desbotando...
Que parassem de se preocupar se alguém vai olhar, criticar, se não vai te entender. Se libertar mesmo do que os outros pensam. Mas não de forma falsa.

É fácil xingar quem não compreende teu visual, o difícil é se colocar no lugar deles. As pessoas que são ignorantes com você, podem não ter tido a mesma educação e cultura que você teve, elas podem sentir medo de você por serem humildes demais ou o contrário, podem ser muito ricas e te achar bizarra porque você não é parte do mundo luxuoso delas. Mas tenha certeza que, quando você cria empatia por elas, você supera o estranhamento, se sente livre, o peso que é o de "pensar demais na opinião dos outros" vai embora.


E não é sobre ser egoísta ou individualista, é sobre se libertar de coisas que te prendem. É sobre confiar mais em si mesma. Sobre ter empatia com o próximo que não te entende,  porque quando você se coloca no lugar do outro, você pára de julgá-lo.



A gente tem sim uma carência de estilos e peças alternativas disponíveis aqui no Brasil, mas isso nunca foi um empecilho pra mim. Eu aprendi a costurar justamente pra poder "copiar" o que eu não tinha acesso e me virava com o que tinha disponível. Claro que às vezes quero uma coisa, mas é caro ou tem de importar e eu desisto, mas eu não posso resumir meu estilo àquela peça que não pude adquirir! 
Assim como não posso deixar de usar algo só porque "não sou uma blogueira finlandesa". Moro no Brasil sim e garanto-lhes que isso não impede que eu use o que gosto.
Eu queria ser mais colorida, mas não encontro peças com cor e estampas legais aqui no Brasil (ao estilo de Hell Bunny e Sourpuss). Eu tenho alma colorida, creiam em mim. Mas o preto não é apenas um amor verdadeiro,  mas também a opção quando algo colorido não me agrada.
Há diversas outras combinações que são uma extensão do meu eu interior.
E essa é a relação de amor que tenho com minhas roupas, escolhidas deliberadamente na hora da compra ou parceria com a loja: elas não estão ali pra me complicar, mas pra me revelar. Tecidos, detalhes, corte, forma... analiso tudo... penso se tem mesmo a ver comigo antes da decisão da escolha.
 Saia eu que fiz 
 Melissa Three Straps Elevated
A comunicação não verbal que as roupas passam sobre mim pras outras pessoas, precisam ser as mais certeiras possíveis.
Minha verdade fashion é me vestir pra mim mesma, alimentando meu desejo por alegria, diversão, cultura, romance e fazendo sentir o meu melhor eu.



Hoje eu vim mostrar pra vocês uma coisa que eu adorei fazer: usar o vestido shining skulls da Stooge como saia!
O shining skulls é esse vestido aqui, ele tem a modelagem meio quadrada, solta e por isso consegui usar como saia sem precisar costurar!!!

Blusa lymda amo amo amo perfeita mais que tudo da Dark Fashion e minha "saia" shining skulls.

 

Basta dobrar, como no passo a passo:
1. A parte de cima do vestido: normal. Reparem que é de formato quadrado.
2. Partindo do franzido da saia, medi 4 dedos e comecei a a dobrar. 
3. Tudo dobrado. Não aparece nessa foto mas nas laterais prendi alfinetes de segurança pra segurar. Dá pra colocar alfinete atrás e na frente também, se quiser. Não incomoda.



A "nova" saia! :D



Não contem pra ninguém mas eu AMEI tanto que acho que há uma possibilidade grande de eu transformar de vez esse vestido de vez em saia!  *_*
Tô pensano, pensano...

Eu não consegui fazer o mesmo processo com o Dark Diva porque ele tem o corpo mais justo e o tule é um material frágil. Caso eu tivesse conseguido ou caso alguém resolva transformá-lo numa saia, ela vai partir da cintura, ficar na altura do joelho e rodada. Uma coisa meio anos 50. 

É isso Dyvas, sejam espertas e usem de mil formas suas roupinhas, Moda é também  diversão! :D