Mais um projeto que participo do grupo alternativo Blogueiras S/A, desta vez, o assunto é:


"Até quando a popularização de um estilo underground é bom? 
Até onde as pessoas pesquisam sobre as referências mostradas no Mainstream ?
Sobre: O intuito do projeto é mostrar de forma bem pessoal a sua visão sobre a moda alternativa popularizada nas grandes fast fashion. Não é preciso ser entendedora do assunto didático, mas mostrar a sua visão como consumidora e uma pessoa com estilo próprio. Faça um mural (colagem de fotos),com suas principais referências de estilo e fale sobre, expresse o que acha bom e não tão bom assim, no que diz respeito a moda usar fatores da subcultura na moda mainstream.
Afinal, popularizar a venda de roupas underground é bom ou ruim?"


"Popularizar a venda de roupas underground é bom ou ruim? E até quando é bom?
No meu caso pessoal, "encontrar mais facilmente" peças alternative inspired em lojas de departamento, não significa que esteja comprável.
Eu considero que a massificação/popularização de uma estética underground não é boa numa visão ampla, pois perdemos coisas como os significados das estéticas. Se algo se torna de massa (popular), deixa de ser diferente e se torna comum. A cooptação da moda underground/alternativa pelo mainstream SEMPRE existiu. Mas não era massificado, era pontual.
MAS, quando considero uma visão mais detalhada do assunto, penso em pessoas do interior (onde praticamente essas lojas são as mais "modernas") e alternativos de baixa renda e acredito que pra eles sim, a popularização seja algo muito vantajoso pois elas passam a ter acesso à coisas que antes não tinham.

Então minha resposta pessoal pra essa pergunta seria não (porque não satisfazem meu gosto); mas minha resposta em se tratando de realidade brasileira e pensando nos alts que não são de cidade grande, seria sim


Até onde as pessoas pesquisam sobre as referências mostradas no Mainstream?
Realmente não sei dizer. Acho que muitos querem é usar o que está na moda pra ser "cool" e dão um rápido google em informações superficiais sobre as estéticas (do tipo "como usar"). Todo mundo sabe o estereótipo de um punk, um gótico ou metaleiro e são os estereótipos que acabam virando as referências dos estilistas. Ocasionalmente vejo coisas que depois de pesquisar descobri serem mostradas muito erradas no mainstream, como o Seapunk.


"Mostrar a sua visão como consumidora e uma pessoa com estilo próprio. Faça um mural (colagem de fotos),com suas principais referências de estilo e fale sobre, expresse o que acha bom e não tão bom assim, no que diz respeito a moda usar fatores da subcultura na moda mainstream."


Fiz esse mural que resume o meu estilo/coisas que gosto.

Encontro meu estilo em lojas fast fashion?
Dependendo da época do ano sim, especialmente no inverno que fazem mais roupa preta. Gosto de comprar peças pretas, básicas, com renda e atemporais. Que complementem minhas peças alternativas. Mas sempre experimento pois é comum em peça estar mal cortada, torta ou com caimento ruim, daí não compro mesmo que tenha gostado.
Muito raro eu comprar "alternative inspired" nessas lojas, normalmente porque não gosto de como eles interpretam o alternativo.

Eu passei a vida toda comprando roupa "preta/com pegada rock" de lojas mainstream e customizando quando necessário. Minha primeira peça de uma loja alternativa comprei aos 24 anos (isso mesmo!), e foi da Black Frost, uma das únicas lojas da época que vendia roupas alts e eu percebia ter qualidade.
Normalmente, as lojas mainstream faziam o estereótipo, que é um resumo superficial de uma estética, não é algo 100% errado, mas é  injusto e reducionista.  Se a peça estereotipada era um resumo de elementos principais, por mim tava ok, eu comprava. Hoje,a popularização da estética undergound esquece um pouco o estereótipo e ameniza ao extremo.
E daí?
E daí, que o amenizado destrói o conceito original (que a "estereotipagem" até que mantém) retirando tudo que poderia haver de "agressivo", contestador, chocante e excêntrico de uma estética. E não me identifico com conceitos alts lidos dessa forma. Essa moda não me atrai muito. Daí, tendo a comprar peças que caiam mais pro "moderninho" do que pro amenizado. 


Acessórios e Calçados:


Encontro meus acessórios e calçados em lojas fast fashion? 
Acessórios eu economizo e compro de lojas alts mesmo. Gosto de acessórios chamativos e irreverentes. Muito difícil eu encontrar algum acessórios neste conceito nestas lojas.
O que eu já achei algumas vezes em fast fashion é cintinho com pequenos spikes. 
Meias/Meias-calças: isso sim eu compro muito em fast, especialmente na Marisa e Renner. As meias mais malucas eu compro em loja de fantasia e algo muito específico recorro às lojas de meia.
Bolsas: pode ocorrer de eu encontrar na sessão juvenil destas lojas, mas não é regra, como contei aqui.
Calçados: eu gosto de Melissa pois são duradouras. E também All Star. Só que também gosto de sapatilhas e calçados baixos pro dia a dia do trabalho, estes sim acho em lojas fast. Já meus calçados mais excêntricos, pesados e de couro, verniz e plataforma, compro em lojas de calçado.
Então na questão de acessórios, as lojas fast fashion me servem basicamente pra meias e alguns calçados. Novamente o básico.


Concluindo...
Pra mim, não é só enfiar um spike ou uma caveira numa blusa ou num acessório que eu vou comprar. E muito difícil comprar o amenizado, prefiro ir pro "moderninho".
Na questão de consumidora, a popularização de estéticas alternativas não significa que eu encontro mais coisas pra comprar do meu gosto. Existe a oferta de produtos, mas não são exatamente a estética que admiro.

Sendo assim, continuo até hoje sofrendo pra encontrar o que gosto nas lojas fast fashion, passo meses sem comprar nada nelas. Continuo optando por comprar peças pretas básicas ao invés de uma peça de caveira/spike numa blusa de corte ou cor que não me apetece. E mesmo que eu tenha consumido algo "amenizado", por falta de opção,  no conjunto do meu estilo, tento usar adaptando ao meu estilo misturando com peças alternativas ou que fiz.
Etiqueta de uma roupa na C&A que fotografei em maio: "Punk is not dead, It just went pop!"


Isto é tudo Dyvas!


Brief Translation 
This is a "collective blog post" from one of the alternative bloggers groups that I am part on Facebook. Is a post about  our vision about how we consume "alternative inspired" clothes in fast fashion shops and what kind of clothes we like to wear.
In the end, we need to say if we think that the popularization of alternative/underground aesthetics in mainstream is good or bad for us.

In my personal case, "more easily find" alternative inspired pieces in department stores does not mean that is buyable.
I consider that the mass/popularization of underground aesthetics are not good in a broad view, because we lose things like the meanings of aesthetics. If something becomes mass (popular), it ceases to be different and becomes common. The cooptation of underground fashion/alternative by mainstream always existed. But it was not massiveness, was punctual.
BUT, when I consider a more detailed view of the matter, I think of alt people from countryside (where practically these stores are the most "modern") and low-income alternatives - for them and I think yes, the popularity is something very advantageous because they have access to things that previously they did not have.

So my personal answer is not (because those clothes does not satisfy my taste); but my answer when it comes to Brazilian reality and thinking of alts that not live in big cities, would be yes.

That´s all, Divas ;D
 


9 Comentários

  1. Oi Sana!

    Sempre recorri a lojas comuns aqui na minha cidade,nem nas fast-fashion eu encontrava algo bacana e que coubesse no bolso e vestisse bem.Confesso que virei consumidora de lojas alternativas na vida adulta, e hoje em dia recorro as fast-fashion apenas quando quero algo mais básico ou também quando quero meias diferentonas.Hoje quando quero algo especifico prefiro juntar uma grana (porque hoje tenho condições para isso) e compro em lojas virtuais de moda alternativa,o guarda-roupas fica mais enxuto porém do meu agrado.

    Aqui na minha cidade hoje em dia há uma meia duzia de lojas alternativas,mas mesmo assim seguem um padrão clichê e as peças são de uma qualidade bem ruim,com caimento péssimo e tecidos piores,tudo muito sensual ou teen e nem todo mundo curte sensualizar e muitos de nós somos adultos.

    Calçados uma vez ou outra eu encontro aqui,as lojas de fast-fashion aqui nesse quesito são bem retraídas,peças mais fora do comum chegam em quantidade bem limitada pois o público não compra.Mas não posso reclamar das lojas de calçados (principalmente a Passarela,aqui na cidade tem várias) que vendem calçados bacanas e muitas vezes a preços acessíveis,quando há grande queima de estoque.Por mais que possa comprar on-line com a imensa gama de lojas alternativas que existem,pelo menos aqui na minha cidade pouca coisa mudou e as lojas físicas que aqui existem pouco suprem a mim e pessoas com um gosto parecido :(.Daí tem que se virar muitas vezes com peças comuns,atemporais e com uma boa e velha tinta pra tecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcela!
      Básico e meias acho que são as vantagens das fast, de veeez em quando rola uma caveira numa blusa preta!
      Pois é uma pena que algumas lojas alts ainda pequem no amadorismo de usar tecidos e corte ruim, por isso é importante o empresário se profissionalizar. Já vi peças tão caras e de péssima qualidade nessas lojinhas, melhor recorrer às lojas virtuais!
      Calçados de lojas fast acabam sendo de algumas marcas conhecidas né? Então acaba que dá pra também comprar em outras lojas. Eu já experimentei calçados das marcas das fast e eles sempre pareciam duros, daí nem compro!

      Excluir
  2. Hello Sana's Queen!
    Essa questão do que essas marcas se apropriam de outras culturas não tira o significado do vestuário dessa cultura. Afirmo isso porque acredito que quando alguém segue um determinado estilo de vida a roupa é um componente e de certa forma uma extensão do que essa pessoa quer dizer. Sendo assim, independente da "xerox mal tirada" de um estilo e sua colocação em um cabide da cultura de massa, isso não trará nenhum efeito para quem possui de fato um estilo dentro da cultura "xerocada". Quem irá comprar um estilo X pela moda jamais transparecerá a mesma coisa do que alguém que faz parte do estilo X.


    Obs: Essa etiqueta da C&A ... Um loja ridícula dessas que é acusada de contribuir com o exploração de trabalhadores querendo fazer graça.. sei não viu!


    Adorei o post.
    Beijos da Jehssy.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jehssy! :)
      Eu concordo (você fala de subculturas e não de apropriação cultural né?), e foi + - isso que disse no post, eu continuo comprando o que gosto e se calhar de eu comprar um amenizado ou estereotipado, com certeza vou dar um jeito de ele se adequar à mim e não o oposto.
      Até uns meses atrás a C&A era a única fast fashion que estava resolvendo a questão da exploração de trabalho. Por isso eu dou um ponto positivo pra ela assim, de forma muito tímida. As outras, pelo que vi na época ainda não estavam fazendo nada significativo.
      Essa etiqueta é bem provocativa né?
      Bjss

      Excluir
  3. "Então minha resposta pessoal pra essa pergunta seria não (porque não satisfazem meu gosto); mas minha resposta em se tratando de realidade brasileira e pensando nos alts que não são de cidade grande, seria sim. "
    Também penso assim. Normalmente essas lojas fast fashion destroem tanto o conceito do "alternativo do momento" que acaba virando mais uma peça comum com uma estampa de caveira do que uma peça realmente alternativa. E como você mesma disse, muitas pessoas nem pesquisam direito sobre algo icônico para alguma subcultura, olham apenas alguma coisa superficial e olhe lá...
    Adorei o post! Bem legal o projeto! ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, vejo muito ao estilo "uma peça comum". Daí comum por comum prefiro comprar o básico porque daí dura anos e dá pra usar de mil jeitos, tem vezes que fico até triste porque quero sair e comprar algo e não encontro porque amenizaram demais e estragaram a peça.

      Excluir
  4. Realmente fiquei curiosa pra saber se a roupa correspondia a etiqueta " maneira" na C&A. Hoje eu acho que não somente as fastfashion popularizam a venda de roupas que remetem a estilo underground, considero que com a popularização lojas mais "especializadas" puderam investir no "negócio underground", conseguimos de fato encontrar roupas de acordo com o que procuramos no e-commerce. Concordo totalmente como o estilo é amenizado, eu não sou do estilo de vestir caveiras e tal, mas hoje se procurar tem caveira com lacinho e rosinha e com florzinha em tudo quando é estampa. E o bacana é que mesmo eu não gostando de nada de "caveiras" as pessoas remetem qualquer caveira de qualquer tipo ao meu gosto, com tipo "lembrei de você quando vi a caveirinha". Aqui no Rio de Janeiro é um pouco diferente, porque não temos comércio alternativo, temos o comércio de roupas "moderninhas". Loja underground só vende camisa de banda e roupa Otaku. O clima tropical da cidade praticamente impõe que você apenas tenha acesso a peças alt quando cai no gosto popular.

    bisou

    http://femmetoilet.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era um tricô cinza, largo, meio "grunge" :P
      Pois é, nos últimos 5 anos teve uma abertura bem grande de variedade tanto no meio mainstream quanto no meio mais especializado, mas acho que isso se deu em parte por uma modernidade na forma de gestão das lojas mais especializadas, até mesmo pra concorrer com outras.
      Esse seu ponto de associarem seu estilo com caveiras (mesmo que você não use) é curioso, pois mostra que no inconsciente coletivo, estilo alternativo "precisa" ter caveira.
      Não sabia que você era do RJ, minha colaboradora do MdS é daí e ela usa preto todo dia, ela entende dessa sofrência tropical! haha

      Excluir
  5. Ah as lojas fast fashion! Já tive crises de amores sérios nelas, sobretudo no setor masculino! Díficil encontrar camisas pretas do meu tamanho, só acho no setor masculino e ajusto.
    Básicas, nem acho mais em fast fashion. São de má qualidade. Isso me traz uma dúvida: onde achar de bom tecido e corte, para customizar como quero? Não acho!
    Boas colocações em relação as fast fashion e o pessoal do interior. Eu moro no interior do PR e vejo muito isso. Conhecer moda tb traz destas - às vezes, conhecer tanto limita. Eu sinto isso com as pessoas daqui.
    ;)

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^