Seus sonhos são realmente seus?

Você já parou pra pensar o quanto a sua vida foi construída socialmente e quanto ela foi construida por você?
Já reparou que somos criados a termos sonhos? Sonhos que fizeram você acreditar que eram e que SEMPRE foram seus. 
Só que nunca foram.
 
Você já sentou sozinha, sem interrupções e refletiu sobre se aquilo que foi construído e desejado pra você, era parte de sua vontade?
Você realmente desejou aprender 5 línguas? Fazer ballet, natação e artes, ou foram seus pais e o "mercado" que pediram isso?
Você realmente desejou aprender fotografia ou moda ou foi o que disseram que você PRECISAVA aprender pra ter um blog legal?
Você realmente sonhou em ser CEO de uma empresa ou foi a cobrança pra ser alguém importante na vida que te fez pensar assim?
Claro podem ser coisas super legais de ter e de fazer na vida, mas eram reais desejos seus?

Cada vez que você joga fora coisas que na real, não te pertencem, das coisas que o mundo te impôs, sobra mais de você!
Só que TAMBÉM sobra um vazio...
E esse vazio que sobra é o espaço que você vai preencher com pensamentos e desejos próprios.
O que sou eu sem esses desejos que adquiri dos outros?
O que sou eu sem esses pactos sociais, sem essas amarras??
O que sou eu verdadeiramente??

 "O ato mais corajoso ainda é pensar por si mesmo. Alto"

Pode ser a ideia ou a opinião mais louca, mas é SUA.
Não tenha medo de si mesma se de repente se pegar pensando que seu relacionamento ideal não é a duas pessoas, mas a três. Não tenha medo se o que você quer mesmo é casar na igreja mas morar em casas separadas. Não tenha medo de não fazer coisas em nome do "amor". Não tenha medo de sair na rua de minissaia com suas coxas super grossas. Não tenha medo de dizer: "gosto de ser magra e esquelética". Não tenha medo de discordar e desconfiar daquela notícia que o jornal insiste em transmitir. Não tenha medo de pensar que a mídia consegue colocar o povo contra o povo. E se você perceber que foi condicionada a amar e querer morar na Europa mas na verdade se identifica mesmo com o lifestyle da Tanzânia? E de se pegar pensando que, de repente, você não é e nem nunca foi conservadora, apenas acreditou que aquilo era o "certo" pra sua vida? Não tenha medo do que os outros vão pensar de você. E não tenha medo de ousar pensar por si mesma. Se (re)descubra!

Às vezes, o melhor emprego, o melhor salário, o melhor lugar, a melhor roupa, não é exatamente o que seu eu "verdadeiro" sonharia. Às vezes você só está reproduzindo a visão de mundo das outras pessoas. Está sonhando coisas que não suas. Fazendo atividades que não são suas. E tendo medo e cobranças que o seu EU nunca faria ou sentiria.

Ah quem dera as pessoas se despissem dos sonhos que plantaram pra elas e despertassem para  seus próprios. Autênticos. Originais. Únicos.


18 comentários:

  1. Sana, adoro seus posts reflexivos!

    Pensava fazer mestrado, mas agora nem sei mais. Passei a minha vida toda acreditando que deveria me formar, fazer mestrado, doutorado e passar em um concurso público, mas de repente percebo que esses planos não eram meus. Assim como acreditava que precisava de tanta coisa, no final era só mais um ciclo vicioso de: trabalhe e consuma.

    E realmente o que sobra é o vazio, pois não sei ao certo se os caminhos alternativos de antes que imaginava, eram de pura fantasia de adolescente. Isso tb é uma questão de empoderamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa Mariana, acho que te entendo... é necessário ter uma profissão, mas até que ponto é a gente mesmo que escolhe e qual o poder da opinião dos outros/mercado nas nossas escolhas? Esse dilema nunca termina rsrs!
      E o vazio vai sobrar mesmo, porque se você joga fora o que não te pertence, aquele espacinho ali, que sobrou, você vai ter que preencher com outras coisas né? Espero que seja com coisas empoderadoras!

      E como você bem lembrou... fantasia adolescente? Será? É algo mais a se pensar né? As pessoas menosprezam a adolescência, mas percebo que é nela que às vezes a gente tem a nossa época de "sonhos" mais legais porque temos o tempo a nosso favor... é quando a gente idealiza um futuro que realmente nos identificamos!

      Só que gente cresce ouvindo que ser alternativo é fase e daí a gente mesmo se cobra a superar isso. Fora que a gente ouve tanto "não" por aí e há tanta desunião e distorção na cena alt que é fácil cansar de lutar. E ser alternativo é uma escolha difícil, é abdicar de muitas coisas...nem todo mundo consegue/vai conseguir/está conseguindo!

      Excluir
    2. Isso é bem verdade. Engraçado que quando eu era adolescente me achava mais "especial", no sentindo de me sentir autêntica. Por mais que existisse um certo preconceito das pessoas contra mim em alguns aspectos e isso me afetasse, era boa a sensação de ser única.

      Agora nesse início de vida adulta as coisas parecem banais e me sinto mais comum do que nunca. Isso me incomoda bastante!
      Essa mania de “adaptação” mina todas as coisas boas que temos dentro da gente. O ambiente em que fui introduzida e o relacionamento abusivo que tive, foram pesados demais e acabei cedendo.
      Depois de tudo isso, estou me livrando desses males aos poucos e acabo me sentindo mais perdida do que nunca. Mas a sensação de liberdade vale a pena.
      Achei esse link exatamente uns dias depois desse seu post e achei que complementa. Dá uma lida.

      http://despertarcoletivo.com/5-razoes-pelas-quais-a-maioria-das-pessoas-nunca-descobre-seu-proposito/

      Excluir
    3. Bem isso Mariana! Quando penso em mim teenager, vejo como eu era mais livre em pensamentos e atitudes e percebo o quanto o passar dos anos me deixou mais "seca" e "deseperançada". Não deveria ser assim. Ao menos, eu não queria que fosse, porque não há nada pior em pensar em fazer algo e eu mesma me auto censurar.
      Esse texto que vc me indicou: adorei e concordo com muitas coisas. E é interessante como ele tem traços do budismo e das coisas que o Osho fala...

      Excluir
  2. Que texto incrível Sana! Amei de mais! ♥
    Eu sempre paro pra pensar nessas coisas.
    Minha faculdade mesmo, nunca foi um sonho meu. Mas acabei fazendo porque não tinha nada de mais útil pra fazer na vida, já que eu sequer sabia quais eram meus sonhos.. E bom, conhecimento nunca é de mais. Então valeu por isso.
    Mas acho que até hoje não sei direito de todos os meus sonhos.
    Eu sei bem o que não é sonho meu e que não vou realizar pra ninguém. Mas os meus mesmo... difícil viu.. acho que preciso, igual você falou, de sentar um tempo sozinha, sem interferência de nada nem ninguém e pensar no que eu quero mesmo... rs
    E poxa, eu também acho que o mundo seria muito mais incrível se as pessoas parassem de sonhar os sonhos dos outros e sonhassem os seus próprios. ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas sabe Mone, é tão complicado essa coisa de facul e tal... às vezes a gente precisa ter algo até mesmo como "segurança". Mas claro, diploma não garante nada nessa vida. E não garante que a gente vai fazer o que quer. Só garante que você tem algo pro caso de necessidade.
      Bom, mas se você já sabe o que não é sonho seu já é um passo no seu auto-descobrimento né? Pior quem nem consegue perceber isso.
      O mundo seria bem mais dinâmico e variado, eu acho. Mas claro, precisa-se ter os meios, as oportunidades de viver o que se quer viver, né?
      Bjs!

      Excluir
    2. Ultimamente tenho andado tão desiludida nessa questão Sana, que até mesmo ter um diploma como "garantia" de algo não significa nada pra mim. Na minha opinião, foi-se a época em que diploma valia alguma coisa. Hoje vale mais o QI (quem indica) do que o esforço de alguém. Mas ta lá, guardadinho. Se um dia ele voltar a valer alguma coisa, pelo menos eu tenho um, né!? rs
      Isso é verdade. É um passo, pequeno, mas é um. Tem gente que passa a vida inteira sem nem isso.
      Exatamente. Às vezes muitos preferem viver os sonhos dos outros exatamente por isso. Porque o sonho de algumas pessoas tem oportunidade que talvez os nossos próprios não teriam.
      bjin

      Excluir
    3. Bem verdade, QI é o que mais "importa" nos dias de hoje. Mas diploma é como uma "muleta".
      Ele te ajuda se você quiser fazer uma pós (aqui ou lá fora) e pode valer algo num concurso público. Num país em que educação não é tão valorizada e que apenas de uns 12 anos pra cá as pessoas começaram a ter um acesso mais real à universidades, é uma pena mesmo que ele não seja mais valorizado, afinal, muitas de nós se esforçam tanto pra pagar uma facul e quando chega no mercado os empresários só querem contratar indicados....

      Sim, as famosas oportunidades. E a vida é mais fácil né? Quem segue o sonho dos outros e uma vida mais "certinha", tem uma vida mais "fácil", mas sei lá se ficam felizes né? Não à toa tem tantos reclamões por aí... adoraria perguntar pra cada um se eles seguiram os próprios sonhos antes de jogar suas reclamações na cara dos outros...

      Excluir
  3. Sana,uau,vc tocou em ponto que eu já pensei em falar sobre,mas não consegui me expressar.
    Mesmo sendo coisas boas,será que queremos 'aquilo',será que precisamos,que realmente gostamos?
    Eu tento levar uma vida baseada em refeltir sobre isso antes,são tantas coisas impostas em todas as áreas da nossa vida,TODAS,chega ser assustador como as pessos tem uma fórmula a ser seguida em tudo.
    Existe uma necessidade de conquistar X coisas,e se vc não está nisso vc é um estranho,mas ao mesmo tempo eu vejo tantas pessoas frustradas,sem tempo para fazerem oq realmente gostam.
    Eu sempre reflito sobre isso.Acho triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Gio!! Fale sobre isso quando puder, vou adorar ler teu ponto de vista!!
      Tudo é muito imposto mesmo e o pior é que a gente vai absorvendo essa imposição e chega um ponto que a gente acha que ela é normal, como se ficássemos entorpecidos ou anestesiados e não temos força pra mudar!
      Também vejo pessoas frustradas por não estarem encaixadas no modelo X... a que ponto chegamos né??? Isso é tão nocivo! Acaba por se refletir na auto estima das pessoas e afetar outros aspectos da vida delas. :(

      Excluir
  4. Adorei o texto, reflete bem o que ultimamente ando sentindo. Chega um ponto na nossa vida que você começa a se indagar sobre as escolhas que fez, sobre os frutos que colheu, o que deu certo, o que não deu. O "ser" quem você realmente é, é tão "pesado" para algumas pessoas, principalmente para nós alternativos, que não tem tanta aceitação, você é sempre o esquisito. A necessidade de se encaixar e ser aceito como tal, muitas pessoas acabam levando a vida que leva não por escolhas próprias e sim porque "tinha" que ser assim, lhes foi imposto. Quando você quer seguir um caminho diferente, você está errado.. se não seguir o que quer..se frusta. E ai?! O que fazer?! E o tempo não passa, corre e você para e pensa: Eu fiz o que devia?! Eu sou quem deveria?! A dolorida verdade entre os sonhos e a realidade, o pior ainda é quando outros querem acabar com nossos sonhos, não seguindo seus próprios com suas próprias pernas.

    Batkisses

    http://bloodbatsandbones.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Loretta, ser quem a gente é, é pesado... e talvez por isso mesmo muitos desistam no caminho, porque preferem o "certo", já que este é mais seguro e sem grandes lutas.
      Acho que é importante tentar não carregar peso de culpa pelas escolhas, porque isso sim destrói as pessoas... daí que talvez, supondo mesmo, seja bom a gente tentar conviver com pessoas que tenham sonhos parecidos com os nossos porque daí um se apóia no outro ou ajuda o outro. Porque lidar e conviver com gente frustrada não é nada fácil...

      Excluir
    2. Me lembrei de um episódio o qual me senti tão mal que tive que ir embora de onde estava. Era uma pequena confraternização do pessoal do trabalho do meu namorido, e lá tinha uma moça que é casada, tem filho e tal, todos estavam bebendo e ela é daquelas pessoas que bebem demais e começam a falar asneira e vomitar toda sua frustração.

      Pois bem, começou com os tais assuntos polêmicos como gays (sendo que pelo menos tinham 2 na mesma sala); lésbicas e bissexuais (me incomodei muito porque ela disse que era nojento duas meninas se beijarem, sendo que eu já me relacionei com meninas) e pra completar ela começa um discurso de que é uma pena quando você conhece alguém, se casa, vive com esta pessoa, tem filhos e tal... porque não haverá outra pessoa na sua vida nunca mais, todos ficaram com cara de passados porque tinha um casal de adolescentes que tinha acabado de começar a namorar, tinha a dona da casa que mora com o vulgo marido mais não casada há anos, e eu e meu namorado, que moramos juntos há um ano e namoramos há nove, sendo que foi meu primeiro namorado!!

      E pra completar ela disse que odeia o trabalho dela e que queria outra coisa mas agora não dá mais tempo.

      Gente, eu tive que ir embora, porque não aguentava ficar ali, depois começa a falar sobre fotos sensuais e sobre todo o assunto pergunta a minha opinião sobre toda a batatada acima. Com total certeza, era pra atingir no final, achando que eu tenho vergonha de alguma coisa que faço ou de quem eu sou, e como eu não fico quieta, dei uma resposta e saímos logo em seguida.

      A gente já tem nossas limitações...mas ter que aguentar a frustração alarmante dos outros, como neste caso que contém, ninguém merece. Tem coisas que a gente tem que guardar pra si mesmo e não vomitar nos outros.


      Sobre conviver com pessoas parecidas com a gente, pra mim é muito difícil, só se for pelo mundo virtual mesmo, na minha cidade sou única. Aqui vai um ponto de novo pra amada-odiada internet, que me possibilita de conhecer pessoas como eu, risos.

      Enfim, conviver com as pessoas.. é uma árdua tarefa... então tem que ter uma união forte de quem tem sonhos parecidos, gostos parecidos, pra tornar a jornada chamada vida mais fácil e prazerosa, trocarmos experiências e aprendermos uns com os outros.

      Batkisses.

      Excluir
    3. Putz Loretta, não suporto pessoas assim. Nota como elas estraga toda a energia do ambiente? Tanto que você precisou sair fora pra se manter sã. Pessoa frustrada é muito ruim porque tente a carregar tudo em volta pra baixo com suas reclamações.

      Mas eu também sou uma alternativa solitária sabia? ;)
      Meus amigos são pessoas "normais" e eu mal tenho o que fazer na minha cidadezinha. Então, as pessoas alternativas da internet acabam sendo minha saída, porque embora diferentes existem alguns pontos em comum.

      Eu acho super difícil conviver com pessoas, ainda mais eu que tive fase misantropa e uma quase fobia social por falta de auto estima, mas aos poucos eu fui conseguindo superar isso e hoje eu seleciono bem quem eu convivo. E tento sempre relevar muita coisa, focar no positivo mesmo, porque de negativo já tem muito em volta da gente.

      Bjs ;)

      Excluir
  5. Sábias palavras, Sana! <3

    É incrível como a gente acaba sonhando com coisas que as pessoas colocam na sua cabeça. Quantas vezes eu já ouvi que para você ser "gente" você tem que ter uma faculdade... Cresci com este objetivo em mente, mas atualmente estou me redescobrindo e bem, percebi que não é mesmo o que eu estava sonhando. Na verdade, desde pequena sempre sonhei em ser dançarina, mas nunca tive condições de pagar um curso e, além da pressão da família de dizer que isso não era uma profissão e a falta de recursos para me bancar aí acabei esquecendo e com o tempo transformei o "útil" que seria a faculdade, em agradável, pois só assim poderia me bancar sozinha.

    Este texto me fez refletir sobre isso, se eu estou me formando para os outros ou para mim. A gente acaba fazendo tudo pelos outros.

    Adoro seus textos :3
    Beijos!

    madessy.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Madessy, obrigada! ;)
      Acho que uma formação é importante, mas não necessariamente uma faculdade. Mas existem diversos casos em que a habilidade da pessoa ou a experiência ou a vontade de aprender, acabam tornado a formação algo em segundo plano...
      Trabalhar com arte é sempre visto como algo inferior. Eu sei porque tenho uma história semelhante à sua. Eu queria trabalhar com arte, mas fui tão podada que não segui por esse ramo e acabei desaprendendo tudo pela falta de prática. Mas um dia eu penso em voltar e reaprender tudo, só o que preciso é o tempo e grana pra investir nisso nem que seja como hobbie.
      A gente faz muito pelos outros mas e no dia que estivermos sozinhas, o que fizemos por nós??

      Excluir
  6. Nossa, me identifiquei muito com o seu texto. Estou passando por uma fase assim, de transição, de me confrontar, de me desamarrar das correntes dos sonhos alheios, não está sendo fácil, muitas vezes me sinto deslocado, fracassado por não seguir o caminho mais convencional. Porém, não vou desistir tão fácil rs

    Adorei seu texto. Concordo com cada sentença.

    ResponderExcluir
  7. Vou escrever apenas isso: Obrigado ;)

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^