"A ideia deste projeto surgiu de uma discussão a cerca de nossa admiração pelas bloggers alternativas gringas. A partir daí, mencionou-se os textos da Sana em seus blogs, que trouxe a questão: "O que nós temos em nossa cultura que podemos usar em nossos looks?" Pensando na diversidade da cultura brasileira, e no nosso estilo único e pessoal, será possível adaptar alguma peça típica de nossas culturas locais (ou nacional) para serem incorporadas ao nosso vestuário? É para explorar essa possibilidade que o projeto Reinterpretando Raízes foi proposto. Tire os livros da estante, as roupas da gaveta e vamos re-criar!"
• créditos às idealizadoras do projeto: Jaqueline Campos e Sana Skull

Nem acredito que já chegou a data deste projeto! Na verdade nem sei se as meninas vão publicar hoje porque não houve mais movimentação e comentários e nem alteração de data no Evento do Projeto. Então, decidi postar mesmo assim. Mas se elas quiserem postar numa outra data, em outro mês, por mim, ok!

Infelizmente, sinto que não pude explorar todos os aspectos do tema por não ter me programado corretamente, não dispenso a ideia de publicar uma parte 2 no blog se for o caso.
Sendo uma das idealizadoras desse projeto e uma grande admiradora da cultura brasileira, eu fiquei muito feliz dele ser aceito e abraçado pelas meninas do grupo, em especial a Jaqueline, que ajudou a dar forma à ele.
Mas ao mesmo tempo fiquei um pouco triste...
Nascemos americanizados. Nascemos europeizados. Achamos lindo o que vem de fora. E ficamos cegas pro nosso habitual.
E não apenas isso, é comum sermos podadas à criatividade. Assim, ficamos com receio de inventar algo, preferimos copiar e, por causa da baixa auto estima, não confiar na própria ideia e ficar na dependência da aceitação do outro.

No começo de meu blog eu falei muito dessa coisa de valorizar a cultura nacional. Mas os leitores deram tão pouco retorno... Um dia percebi mesmo que o povo quer cópia. Tanto que tem loja de moda alternativa que vive de cópia e até de plágio.
É engraçado porque o punk americano não é igual ao punk inglês, o gótico americano é mais "variado" e o gótico europeu é mais tradicional, o kawaii foi "europeizado", cada país modificou ou adaptou as estéticas de acordo com a cultura própria. E no Brasil a gente copia, pouco adapta, pouco reinventa. A gente tende a querer o look igual da gringa sem adaptar à nosso clima e estilo de vida...

Eu confesso que esse post não será bordado tudo que imaginei, mas ao menos uma parte está aqui :)

Culinária
Existem várias delícias da culinária nacional, um dos clássicos é um docinho de chocolate e leite condensado chamado Brigadeiro.
Como eu o adaptaria à Moda Alternativa?
Ele se poderia por exemplo, ser adotado por quem segue o kawaii aqui no Brasil (em formato de anéis, presilhas, colares fofos) ou pra quem tem marca irreverente, inventar estampas ou uma bolsa em formato brigadeiro trevoso, brigadeiro vampiro etc... Vocês viram o que a Iron Fist fez com o hamburguer, prato tradicional americano? Então...

Folclore
Taí um tema que eu acho que se adequaria à moda alternativa de todas as subs nacionais com pé no rock!
Lembram do Detonator e a música do Saci? kkkkk
Eu tenho um livro de lendas e fábulas do Brasil, é um livro impressionante! A quantidade de lendas regionais, figuras mitológicas e folclóricas que temos em nossa cultura é riquíssima! 
Como eu o adaptaria à Moda Alternativa?
Algumas histórias são bem tenebrosas, dignas de virarem estampas de terror ou até mesmo serem amenizadas e ficarem mais "simpáticas". Fora a possibilidade de usar os personagens em linha de sala, cozinha, quarto, banheiro...

Artesanato
Sabe aquelas rendas tão comuns aqui no Brasil? Que são artesanais? Tipo renda de bilro?
Renda existe em todo lugar, mas sempre foram parte da cultura popular brasileira, tem em qualquer feirinha.
Como eu o adaptaria à Moda Alternativa?
Seria o caso mais simples de todos, aplicaria essas rendas artesanais em peças de roupas ou acessórios ao invés de usar rendas já prontas de fábrica. Acho que encareceria a peça, afinal, é artesanato, mas daria muito mais qualidade.
Uma dia vi uma matéria que os gringos são looooucos por nossas rendas, eles importam roupas de estilistas que trabalham com esse material, então imagina que legal seria poder desfilar por aí com algo regional e que tem possibilidade de exportação!

Já repararam que em muitas casas do Brasil as donas de casa adoram "paninhos"? Paninho de crochê ou aqueles "vestidos" de liquidificador, bujão de gás...? 
Como eu o adaptaria à Cena Alternativa?
Igualmente super simples: faria esses paninhos e roupinhas de objetos ou com estampas alternativas (tatuagem, monstros, caveiras etc) e faria os crochês ou ponto cruz com temas darks. Um crochê em formato de morcego? Pra quem gosta desses "paninhos" poder enfeitar sua casa de forma irreverente. A gente vê muito material pra se inspirar na linha Housewares da Sourpuss, só que adaptando ao nosso imaginário popular.


Vestuário
Tecido Chita: o famoso morim! Sempre estampado com flores e cores fortes! Típico de nossa cultura popular! Um tecido ultra mega barato! E MUITO apropriado pro nosso clima!
Como eu o adaptaria à Cena Alternativa?
Estampá-los com temas já citados de folclore, halloween, terror... com as suas características cores fortes. Teríamos linhas estéticas para as Pin-ups,  as Góticas e as fashionistas alternativas. Claro que por ser um tecido barato, as peças teriam que ser muito bem estudadas para que a qualidade seja mantida, ou poderemos melhorar a qualidade em parceria com uma fábrica. Quanto às cores fortes, é bom quebrar esse pensamento que alternativo não gosta de cor. Talvez não goste porque não tem nada legal "de cor" pra comprar...


Bombachas Gaúchas/Traje de Prenda
Estou falando do traje típico gaúcho mas acho que isso serve pro traje típico de qualquer Estado.
Como eu o adaptaria à Cena Alternativa? 
Modificar dentro do possível a modelagem e cores e inseri-las na moda alternativa feminina e masculina. No caso das bombachas gaúchas, vejo-as tanto com a possibilidade de serem adaptadas para serem usadas no metal e no gótico. Imaginem uma bombacha, por exemplo com tule de malha ou num exótico material como vinil? O mesmo pro traje da prenda: dá pra encurtar a saia ou manter longa, trocar um enfeite x por uma renda preta.. ihhh. muitas possibilidades.

Vejam essa foto da Rhayanne Nery, a Miss PE com um traje inspirado em Maria Bonita. Com adaptações, é possível ir para a moda alternativa. Dá pra, por causa dos tons de marrom e bege, inserir anacrônicamente no Steampunk ou Dieselpunk ou até mesmo, porque não: criar uma estética nacional inspirada no cangaço com referência à moda do começo do século XX!




Moda alternativa é isso gente: é com pé no conceitual! Carnaval, fantasias, são muito mais próximas do conceito alternativo do que a moda mainstream! Por isso a gente precisa abrir a mente pra Moda. Esquecer tudo que aprendemos sobre moda com o mainstream e focarmos também no exótico, no fantasioso, no diferente, pra nos inspirar! Não é difícil entender que Moda Alternativa é também a ousadia do incomum.


Festas Nacionais
Festa Junina é a festa que mais gosto. Amo! Como a silhueta é super ao estilo século XIX e a moda da subcultura gótica tem uma base no século XIX porque não unir os dois temas?
Como eu o adaptaria à Cena Alternativa? 
Se rolam arraiais caipiras e temos muitos góticos interioranos, poderíamos criar um arraial gótico e concorrer nos concursos ou mesmo só se divertir. Se as Lolitas não forem tão mente fechada, até a Moda Lolita pode ser desconstruída e adaptada à essa festa nacional.
Quanto às roupas, nem tenho muito o que dizer, as imagens já mostram que as roupas são super adaptáveis à moda alternativa.


Carnaval
A história do Carnaval me intriga. Muitos alts dizem que não gostam. Mas talvez eles não gostem do Carnaval em si, mas sim do que ele se tornou no Brasil - um evento comercial. Quando você pensa que Carnaval é uma festa pagã e muitos alternativos são pagãos ou se identificam com o paganismo, porque eles  não celebram o lado pagão então?? 
Como eu o adaptaria à Cena Alternativa? 
A foto da Miss PE ali em cima, de Maria Bonita, é quase uma fantasia também de Carnaval, mas quando você pega esse conceito e o adequa à seu estilo de vida, sua subcultura, seu estilo alternativo... muitas possibilidades, muitas ideias surgem sobre trajes super elaborados que não deixariam devendo nenhum editorial fotográfico alternativo gringo. Onde usar estes trajes: nas festas alternativas que acontecem na época do Carnaval ou simplesmente aproveitar que tá tudo liberado e passear à noite fantasiada à seu jeito.

Como eu adaptaria elementos da Cultura Nacional meu estilo pessoal?
Tirando as rendas, que são possíveis serem compradas e costuradas pra fazer um look, como eu tenho um estilo pessoal muito definido e as coisas que eu imaginei ainda "não existem" ou não foram confeccionadas, eu não montei look pra esse projeto. Mas na hora que essas ideias forem saindo do papel com certeza posso as inserir nos meus looks, pois tudo que disse no post, é viável.
Algo que a cultura brasileira tem a oferecer e que faço muito uso é aproveitar a vida do lado de fora! Enquanto os Europeus e Americanos passam meses dentro de casa ou dentro de ambientes porque o frio os impede de passar muitas horas na rua, aqui no Br, eu aproveito muuuito a vida fora de casa! Adoro sair na rua nem que seja só pra bater perna. Outra coisa de nossa cultura que tiro proveito é do clima! Eu gosto de usar pouca roupa e adoro saias e pulseiras, existe clima melhor pra fazer isso que os dias de sol? (não estou falando de calor extremo, faz favor, não quero negatividade nesse post!!). Por causa do clima, posso usar pulseiras o ano todo! No inverno - eu amo o frio - mas me sinto estéticamente podada, pois o uso de camadas cebola, me impede de usar certos acessórios, embora claro, outros podem ser explorados. No inverno eu me enfeito menos que no outono e na primavera. No verão eu sou mais simples ainda.

A capacidade de se adaptar à situações "imperfeitas" é típico nosso. O clássico cliché que a cultura brasileira gosta de calor, verão e alegria, pode não se adequar perfeitamente no meu gosto, mas não deixo de viver por causa do calor - na verdade, gosto de usar pouca roupa; e a alegria é algo que aos poucos estou aprendendo/resgatando de minha essência porque eu cansei da cultura de depressão que alguns alternativos insistem em glamourizar. Depressão é coisa séria, não dá pra brincar de ser deprê!! Até os 15 anos eu era uma menina super alegre, engraçada. Daí meio que anulei esse lado meu inconscientemente por muitos anos por pensar que alternativo precisava ser sério, frio, deprê, seco, direto, contrastante. Mas depois vi que o bom humor e alegria eram parte sincera de mim (mesmo eu sendo uma pessoa misantropa) e ainda bem que conheci Adora BatBrat que me mostra que dá sim pra eu explorar meu lado brasileiro alegre e sorridente sem ser menos alternativa por causa disso!

Essa foi só uma parte das minhas ideias, mas quem sabe role uma parte 2 :)
Até mais e espero que tenham gostado!
Lista de blogs que confirmaram participação:
4sphyxi4
Corp. Gótica Ltda
Tribo Alternativa
Dias de Cheshire 
Primordial Breath
 


8 Comentários

  1. Poxa Sana, falou tudo! Principalmente quando você se refere ao esteriótipo de alternativos serem sempre metidos a "depressivos". Pura verdade! E olha, eu vou te dizer uma coisa: não trocaria o Brasil por nada, apesar dos conflitos e problemas que a nossa terra tem, aqui é definitivamente o meu lugar. E outra, eu não gosto de inverno, na verdade ainda não entendi qual é a graça dele... Esse negócio de que "as pessoas se vestem melhor" é pura mentira, afinal eu só levanto da cama porque tem que levantar e visto a primeira roupa que me aparece, até porque a única coisa que quero neste momento de frio é estar bem quentinha hahahaha Na verdade eu curto muito o outono, pois é um clima bem ameno, ventinho bom, o sol bonito e "frio", o céu é sempre um azul bonito e sem nuvens (pelo menos aqui em SP é)... Muito bom! E adorei a sua colocação sobre as pulseiras! Eu também amo pulseiras! Ahaha! E saias também!

    Eu amo o folclore brasileiro. Sinceramente nem sei porque os alts aqui do Brasil gosta de ficar pagando pau pra viking sendo que a nossa cultura é tão rica quanto a deles, se não for mais rica ainda, pois aqui temos um mix de folclore indígena, africano, europeu e asiático junto, e isso é muito legal!

    Sobre o carnaval, é algo que perdeu o significado, infelizmente. Mas é uma ótima ideia a gente usar ao nosso favor, até porque acho que é um dos poucos momentos do ano que ninguém tá nem aí para o que você veste. O "carnaval dos pagãos" foi substituido pelo halloween, que também é um festival pagão e mais caracterizado também. Acho que é por isso que os alternativos meio que deixaram de lado o carnaval. :( O que é triste.

    Adora BatBrat é um amor!
    E obrigada pelo lindo comentário que deixou lá no blog, fiquei muito feliz! ♥

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madaha, como nasci no sul e sempre vou pra lá - inclusive no inverno, eu conheço o lado negativo do frio. E não tem nada de romântico nele. Frio é bom pra andar na rua, fato. Não tem aquele solzão irritante. Mas bom mesmo é entrar numa cafeteria e tomar um chocolate quente ficando aquecidinha!
      Tanto levantar cedo quanto à noite, ir dormir com a cama geladíssima, quanto o vento absurdo de gelado e a questão de ter de mexer com água congelante, ou não poder costurar porque ficar tirando a roupa pra experimentar é tremer loucamente... tudo isso já vivi no inverno sulista e não tem nada de glamour!
      Eu não gosto de usar muita roupa então o frio pra mim é aquela coisa de gosto, mas não gosto kkkk tudo depende se a casa ou o ambiente é adequado à ele. Neve é lindo, amo dias nublados contanto que eu possa usar "pouca" roupa e me sentir aquecida mesmo assim.

      Também acho uma loucura nossa riqueza folclórica!! Tem tanta lenda assutadora ou fantástica que merecia um pouco mais de reconhecimento!

      Carnaval: já fui daquelas que odeiam. Mas depois fui percebendo que o ei não curtia mesmo era o carnaval mainstream! Pq o carnaval como festa pagã é algo muito legal de se curtir! E se for de forma alternativa, melhor ainda!

      Adora: que loucura uma pessoa lá da escandinávia vir abrir meus olhos que eu não precisava apagar meu lado alegre e nem pagar de fria e distante (mesmo que eu seja) o tempo todo! Vivendo e aprendendo! :D Tá sendo ótimo resgatar a velha e alegre Sana, me sinto mais leve!

      hahaha! Você curtiu o comentário? Puxa, obrigada! Mas imagina é aquilo mesmo que penso do teu blog viu? Eu gosto dele pelos seus pensamentos e não pelo que você usa/compra/veste... ;D
      Bjs!

      Excluir
  2. Sana que post legal! Ficou gigante e vai ter que se dividido.

    Eu não gosto muito de calor, mas sei que iria detestar um frio como o do sul do Brasil, pq em junho/julho aqui (meses mais frios) eu já sofro rsrsrs imagina aí. Quando eu morava no interior sofria mais, pq era realmente MUITO quente. Agora q voltei pro litoral é bem mais tranquilo. Hoje mesmo dormir sem ventilador pq aqui tendo um vento muito agradável.

    E pooooooooooxa, eu amo renda de bilro e croche *-* Meu sonho aprender a fazer. Moro no Ceará e aqui é muuuuito característico esse tipo de renda e croche. Vira e meche vou na Feirinha da Beira Mar onde tem o artesanato local. O problema mesmo, como vc falou, são as cores. Geralmente é tudo muito "colorido", n curto muito. Gosto mais de usar uma cor só ou cores próximas, tipo roxo com preto, preto com vinho. Lá também tem o artesanato com capim dourado que eu acho lindo! Me lembra muuuito alguns desenhos celtas. Tipo esse aqui:

    http://img.elo7.com.br/product/original/7C8384/bracelete-capim-dourado.jpg

    http://d13ygt6d70tkn4.cloudfront.net/produtos/033166/33166_b083a1549a956339975768430118eaf4b821a446.JPG

    https://www.google.com.br/search?q=bijuteria+capim+dourado&newwindow=1&es_sm=93&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0CAcQ_AUoAWoVChMIsrvO_fStxwIVyJWQCh39eAdA&biw=1366&bih=667#imgrc=ea2Vl4MpZjoIKM%3A

    Um parecido com esse último eu usaria com um corset underbust e uma saia ou um vestido estilo medieval.

    Tirei uma foto para você ver o tipo de blusinhas do artesanato daqui que eu uso de boa.

    https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xfp1/v/t1.0-9/11873529_883923125034370_8889129240831614158_n.jpg?oh=06c615593fe39bf91afc3e571bbf85f9&oe=563C7EF9

    Essa é muito lindinha. Mas manchou e vou tingir e trocar as fitinhas por uma de cor preta.

    https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpf1/v/t1.0-9/11889593_883923248367691_5257287181013042837_n.jpg?oh=9b4272bdf38bd52e754eebee7f4f0d12&oe=5678ED2E

    Essa comprei acho q uns três anos atrás e está suuuper desgastada de tanto usar e lavar. Mas eu adoro ela demais. Gosto muito dessa cor.

    ResponderExcluir
  3. Usei muito vestido de chita quando criança no São João. Hj em dia o me faz n querer usar é exatamente as estampas. É cor demais e apesar de gostar de cores, é tudo muito vibrante demais rsrsrs.

    Quanto ao traje de prenda, eu peguei um tempo desses umas fotos de inspiração para copiar hahaha.

    E concordo que no folclore é riquíssimo! Gosto muito da caipora e da iara.

    Esse vestido da miss PE ta lindo! Muito Steampunk msm! Você está sabendo de um programa de estilista steampunk que estreia esse mês? Infelizmente acho que não será transmitido por aqui. Se chama Steampunk'd.

    E nossa, queria muito que fizessem estampas mais alternativas. Eu adoro estampas, mas quando vou comprar algum tecido é tão difícil achar uma q eu goste de verdade :(

    Enfim, adorei que você abordou esse tema aqui. Eu, q sou apaixonada por artesanato, tento de alguma forma incluir isso nas minhas peças de roupa e sempre tenho que procurar tecidos que sejam adaptáveis para esse calor do nosso Brasil. Mas as pessoas não dão valor ao artesanato quando se trata de roupa. É incrível como as pessoas preferem comprar no aliexpress ao invés de incentivar nossos artistas locais.
    Eu amadureci muito nesse aspecto. Quando era um pouco mais nova fecha a cara para essas possibilidades, mas no fundo eu me sentia incomoda pq tudo isso era um padrão que n se encaixava bem comigo. E sair disso, era como se fosse “poser”. Hoje me permito mais e não me prendo tanto a certos padrões. Me sinto mais livre.

    Esses dias eu estava assistindo o vlog de uma moça q faz tutorias de costura e ela abordou uma discussão bem legal sobre ser costureira. Muitos falam que está faltando costureira qualificada aqui no br, mas fico pensando que às vezes nem vale o custo de uma pessoa investir em cursos para melhorar sua técnica, pq essa profissão é muito desvalorizada. Todo mundo olha para o estilista, sendo q muitas vezes nem é ele quem costura. Eu sou apaixonada por costura, apesar de nem ser da área de moda, e estou a duras penas para aprender mais. Mas a passos lentos vejo que as coisas estão mudando um pouco. A cena de moda daqui do Ceará está crescendo bastante e vejo que as pessoas estão comprando mais de artesãos locais. As feirinhas coletivas estão bem comuns aqui, gente vendendo roupa, bijuteria, bolsas, comida, etc. Acho isso muito bacana.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Mariana! :D
      O post ficou imenso e mesmo assim não falei tudo que queria, tenho muuuito a explorar de nossa cultura!
      Muito calor e muito frio são ruins! O meio termo, nestes casos é a perfeição haha!
      hmmm verdade, vc fala em Ceará eu já lembro de artesanato!
      Caramba! Chocada em como lembram mesmo desenhos celtas, que incrível isso! Essa última imagem tem um design que lembra bijus góticas hein! Aliás uma vez vi uma matéria sobre esse capim dourado e fiquei encantada!
      Essa blusinha branca parece batinha medieval!

      Isso! Chita é vibrante demaaais! Mas quando vejo marcas alts gringas usando cores vibrantes e estampas malucas eu fico pensando o quanto a gente tá perdendo de explorar esse nicho! Eu tenho dificuldade de usar roupa colorida lisa, prefiro usar com em estampa (normalmente caveiras e talz), então acabo usando preto por não achar estampas que curto, é um saco olhar pra gringolândia e ver várias estampas que eu usaria e aqui não tenho nada... lá fora a mente é mais aberta até pra isso!

      Eu também mais nova fechava a cara pra coisas do Brasil hahaha mas sabe, a gente recebe tanta mas tanta influência de fora ainda mais se segue essa linha mais rock, gótica que a gente fica achando que as coisas daqui são feias. Mas daí vejo coisas do Br valorizadas lá fora e percebo que é o meu olhar que está viciado e preciso abrir a mente!
      Hoje eu já nem ligo se fico poser ou não, acho que a moda alternativa me dá essa liberdade de experimentação.

      Costureira: bem isso! É uma profssão desvalorizada e falta aquela costureira que também tenha mente aberta pra aprender técnicas novas.
      Queria muito visitar o Ceará, daí marcamos um encontro pra papear!

      Bjs!

      Excluir
  4. Eu esqueci totalmente do projeto, pois estou de férias, e nem no facebook fico mais para ele me avisar.
    Então, acabou que não vou postar, pelo menos não agora.
    Mas enfim, o seu post e o da Vivien ficaram excelentes, abordaram lindamente a ideia do projeto!
    Tem hora que dá raiva de tanto que brasileiro paga pau pra gringo em absolutamente tudo...
    Não que o que venha de lá não seja legal, claro que é, mas porque temos que nos inferiorizar tanto?
    Enfim, adorei o texto Sana! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sussa Jaque!! Poste quando quiser (ou não!), você é a dona do grupo e sabe que lá não tem pressão ;)
      Que bom que curtiu *_*
      A gente já nasce influenciado por fora né? E se cai numa subcultura ou se se identifica com uma então.. é certeza de ser influenciado e fechar a cara pras coisas daqui, então é uma questão de mudar o olhar.
      Bjs!

      Excluir
  5. Opa demorei mas cheguei!!
    Adorei as sugestões. Lembrei que vi numa Manequim velha umas ideias de decoração com chita, explicando que o pano era mal visto porque era "de pobre!", mas dava um efeito lindo e me apaixonei por ele.
    Quanto ao artesanato e ao folclore, eu lembrei do Cd do Detonator, que faz uma releitura dos mitos folclóricos brasileiros, como o Curupira. É sensacional e muito engraçado. No ponto cruz e outros bordados, dá para pirar e fazer muita coisa. E as rendas ficariam lindas em preto, ou cores contrastantes no forro...crochet e tricot, que são tão amados no interior, iam ficar lindos!
    Agora, o traje de gaúcho...eu quero muito usar um chapéu gaúcho nos meus looks, mas quem disse que acho? Ia ficar super diferente dos chapéus coco que estão tão em voga. Se eu achar, certeza que comprarei!
    Adorei mesmo sua releitura da nossa cultura, e acho que deveríamos fazer mais vezes. Talvez regionalizar mais, pegar mais ideias...eu já topo hehehe
    Beijos!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^