Projeto: O Rock envelheceu?

"Muitos artistas do gênero já chegaram a idade avançada, muitos faleceram, outros por conta dos abusos cometidos na juventude não são mais os mesmos, outros parecem ter parado no tempo e usam o mesmo estilo e possuem os mesmos pensamentos a décadas. Outros com a crise de meia idade, recorrem a procedimentos estéticos muitas vezes duvidosos para que o tempo congele. Parece ser uma descrição que se limita apenas a artistas, mas todo mundo conhece uma pessoa ou outra que de longe não é uma estrela do rock, mas que está no mesmo patamar que os rockstars, uns mais e outros menos... Pensando nisso, esse projeto sugere mais uma reflexão: Será que aos poucos esse estilo de vida pode se dissolver por não se reinventar?
Será que o rock envelheceu ou os padrões antiquados e que não acompanham essa nova geração, faz com que tudo pareça tão obsoleto e careta? É uma coisa para pensar e queremos que saber a opinião de vocês nesse projeto!"


Bom, a data deste Projeto era ontem, mas não deu mesmo pra revisar e publicar. Eu queria muito participar então, aqui está! :D

Vocês sabem que o Rock engloba muuuuito estilos né? Então, vou generalizar. Quem quiser pegar um ponto ou um estilo específico pra debater, faça nos comentários.


Em termos de música: Bom, pra  mim o rock não morreu e se reinventa todo dia. 
Basta dar uma olhada na quantidade de bandas novas que surgem com sons novos, novos estilos, novas misturas, novos visuais. O que acontece, na minha opinião, é que muitas pessoas julgam o rock pelo que tá rolando no mainstream. A pessoa não escuta rock no rádio ou na TV e pensa que não existe mais o estilo. É um erro medir o rock assim porque rock tem aquele pé na rebeldia e contestação e o mainstream prefere divulgar bandas machistas, misóginas, mulheres lindas e no padrão de beleza porque assim eles mantém a gente dentro do controlezinho de consumo de um estilo de vida...
Se você quiser ver como o rock se reinventa sempre, basta dar uma olhada (ou ida) ao underground. Aliás, o Rock in Rio mostrou alguns exemplos de bandas nacionais com estilo próprio (Project 46 + John Wayne - viram o visual caindo pro street/sport do vocal??) e também a banda Royal Blood que é só baixo, bateria e vocal: se esses não são exemplos claros de reinvenção, então não sei o que são...


Em termos de artistas do rock:
O rock é um estilo muito juvenil. Joan Jett este ano, num evento, disse que o Rock torna os roqueiros eternos adolescentes. Quando ela diz isso, ela quer dizer que os roqueiros mantém pra toda vida o questionamento, a contestação da sociedade. Coisa que as pessoas "normais" perdem quando "se tornam adultos" e se acomodam.
Roqueiros não se acomodam.
Claro que alguns levam a juventude pro literal, fazendo plásticas rejuvenescedoras, mas acho que isso tem a ver tanto com a cultura de um país (alguns países pregam mais a juventude do que outros) quanto com pressões comerciais e gosto/auto estima.

Aqui, eu abro dois tipos de opinão:
A questão da grana: Alguns artistas (e também pessoas) encaretaram porque mudaram de classe social (estão ricos) e com isso adquire-se privilégios que eles não querem perder. Aqueles caras que na juventude contestavam porque eram pobres e à margem da sociedade, com o rock, enriqueceram e hoje são parte da elite social. Encaretaram porque o que eles queriam conquistar - uma melhora de vida - já foi conquistado. E vivem o Rock por diversão.
Cazuza fala disso em Ideologia: "aquele garoto que ia mudar o mundo Frequenta agora As festas do "Grand Monde"// aquele garoto Que ia mudar o mundo Agora assiste a tudo Em cima do muro".
E pra mim é isso, essas pessoas perderam suas ideologias, talvez porque já as tenham conquistado...

Se você questiona, se revolta por ser somente vítima do sistema pode acontecer de, quando você ter acesso à outra classe social mais elevada, seus questionamentos cessem porque você será parte dos privilegiados. Agora que adquiriu os privilégios, vai se revoltar com o quê? Vai querer perder/dividir os privilégios? O contrário, se tornará conservador para não perdê-los...

Acredito que muitos rockeiros enfrentem dilemas sobre se encaixar ou não socialmente quando tem filhos - acho que esse é o principal ponto de mudança de visão de mundo na vida destas pessoas: criar um filho. E pra criar um filho, será preciso seguir, certas regras sociais (aquelas que tanto se lutou contra). E é aqui que muitos roqueiros ou encaretam pra criar cidadãos "corretos" ou tentam, com adaptações, criar filhos dentro do sistema, mas educando de forma a serem questionadores. O documentário Pais e Punks fala disso.

Em contrapartida: Pra alguns roqueiros o questionamento - ou rebeldia - é muito mais uma questão de personalidade do que de idade ou classe social. O foco deles não é enriquecer, pois mesmo ricos, eles mantém suas ideologias e não se importam de compartilhar com os outros seus privilégios adquiridos.
Se a sua sua real essência é o questionamento, se você não tá no rock pra enriquecer ou "catar mulher", você vai questionar independente de estar pobre ou rico, famoso ou anônimo. Sim, é possível ser rico e questionador, há vários artistas assim (Ed Vedder do Pearl Jam, Patti Smith, Kim Gordon...).
Porque o questionamento não é somente uma rebeldia, é uma atitude da alma (ou mente), tem a ver com não ser um cidadão passivo que aceita tudo que a TV, o jornal, a política quer te impor como regra de vida.


Em termos pessoais:
Pra mim o rock não envelhece, o que envelhece são as pessoas rsrs! Fisicamente, e não mentalmente.
Praticamente repito o que disse acima:   Se a sua sua real essência é o questionamento, você vai questionar independente do rock estar "na moda" ou não. Uma coisa que o rock te dá é a liberdade de você ser como você quiser! Isso é uma coisa que a sociedade finge que te dá, porque na verdade ela quer te vender produtos.

Eu acho que o rock se reinventa todo dia, a questão é que algumas pessoas não aceitam o novo seja por choque de gerações, seja porque é algo "diferente" do que eles "aprenderam" como sendo Rock. Um exemplo é a turma que até hoje não aceita o nu metal. E quando foi dita aquela famosa frase do Manowar "morte ao falso metal", ela se dirigia à tudo que não fosse Trad Metal. E virou uma gozação, porque né? ... praticamente prega que o rock/metal não deveria evoluir e que todos nós deveríamos ouvir apenas Trad!

À medida que a sociedade e as pessoas mudam, o rock também vai mudar porque é uma subcultura muito ligada à questões sociais.

Um exemplo ótimo de roqueiro que mesmo tendo subido na vida é questionador por essência, é Corey Taylor. Na verdade, essa frase dele que li essa semana, responderia perfeitamente esse Projeto.
Ele fala praticamente o mesmo que eu, mas sob outro ângulo: que o mainstream despreza o rock porque o rock questiona e prefere "vender" um estilo de som e de vida que eles podem controlar. E no fim, ele fala da reinvenção do Rock.


"O motivo pelo qual o mundo corporativo e o mundo pop não suportam o Metal é porque eles não podem usar a nossa música para vender coisas. Eles não conseguem usar a nossa música pra vender seguros de carro, hambúrgueres ou refrigerantes. Então eles falam mal da gente, eles nos desprezam, e nem nos reconhecem em premiações. Mas o fato que nós não precisamos deles, deixa eles tão putos, que eles ficam loucos de raiva que nós conseguimos ser headliners de grandes festivais e promover as nossas coisas sem precisar da ajuda deles. Isso deixa eles absolutamente com muita raiva da gente. E quer saber? Fodam-se eles, se eles não nos entendem! Se eles não querem nos ajudar a manter a nossa música viva, eles que se fodam! Nós vamos seguir fazendo nossa música com ou sem eles. E isso deixa eles loucos. Dá pra sentir que o Heavy Metal e o Rock N’ Roll estão voltando com força total. Dá pra sentir isso nas ruas. Cada vez mais forte. E isso deixa eles loucos de raiva.  Eu não tenho problema com a música pop em geral. Eu adoro a música pop dos anos 80. Mas a música pop atual é escrita pelas mesmas 5 ou 6 pessoas, e por isso todas as músicas soam exatamente iguais, todas elas falam exatamente a mesma coisa, essa merda de amor pra cá e pra lá. E tudo é acertado digitalmente, auto-tune, e tudo é processado e enlatado. Não tem vida. Não tem alma. E eu me pergunto “é isso que as pessoas ouvem hoje? Esse é o som pop de hoje em dia?”. E é tão “Disney” que é um insulto, pra ser sincero. E é por isso que muitas pessoas estão indo na direção do Heavy Metal e do Rock N’ Roll de novo. Porque elas estão cansadas da mesma merda, de novo, e de novo, e de novo. Chega. E ponto final.  Eu acho que o futuro do Metal é muito promissor. O Heavy Metal pode se adaptar e adquirir diversas formas. Musicalmente, o Metal incorpora tantos elementos distintos que você pode pegar uma coisa aqui e outra ali e montar o seu próprio estilo e é assim que a música se perpetua e continua e se expande e evolui."



Blogs Participantes:
Cinderela Smile
Femme Toillet
Lady Dark´s
Corey Taylor participou do Projeto também! Um viva pra ele! :D


3 comentários:

  1. Adorei seu post Sana!
    Adoro ler suas opiniões sobre qualquer assunto. Você é sempre tão reflexiva em seus pontos de vista que sempre nos fazem questionar mais sobre qualquer assunto.
    Sobre o post em si, vou comentar aqui a mesma coisa que comentei no blog da Elen sobre o que eu penso sobre esse assunto. Mas meu comentário está mais na questão do rock como música.

    O que eu penso é que o rock está morrendo e por culpa do próprio público. Eu também concordo com você quando diz que o novo surge em cada canto que olhamos. Eu mesma conheço várias pessoas que tem boas bandas autorais. Que fazem shows muito bons. Mas o que acontece é que o novo surge, mas morre no meio do caminho porque não tem espaço na cena. Infelizmente, o rock está morrendo porque o público se nega a pagar $10 pra prestigiar uma banda autoral iniciante, mas paga $50 pra ver bandas covers de artistas famosos. Pessoas que reclamam que nada de novo surge, mas quando um conhecido ta em um projeto autoral novo, não vai a nenhum show, não compra nenhum cd, não ajuda em nada. Infelizmente, se as bandas iniciantes não forem incentivadas, e aqui digo até mesmo financeiramente, afinal os músicos precisam ter retorno financeiro para continuar investindo nesse meio e se sustentarem, realmente elas acabam morrendo no meio do caminho, antes mesmo de se tornarem mais conhecidas e ter alguma chance nesse cenário tão difícil que é o cenário musical alternativo, principalmente o brasileiro.
    Enfim, é isso.. ^^

    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah mas aí você toca num ponto que não tem a ver só com música rock. Tem a ver com CULTURA e mentalidade do povo.
      Nós NÃO fomos criados à valorizar arte, cultura, artesanato, pessoas que criam e isso se reflete na forma que tratamos nossos artistas - músicos do rock - também.

      Eu, particularmente, não coloco culpa só no público. O business de música é um conjunto de coisas. Não é porque é underground que as bandas precisam se apresentar de qualquer jeito e topar qualquer porcaria de som o clube ofereça. Tem carisma? Tem criatividade? Tem diferencial que fixe os olhos do público? Isso ajuda pacas. As bandas precisam ter profissionalismo e ética. Isso inclui a forma como elas tratam outras bandas e como negociam com o bar. Tem banda que aceita "cerveja" como pagamento mas critica o público...

      Tem clubes que não oferecem bom som, boa luz... tem organizador de eventos não se importa com o equipamento que eles colocam para as bandas. Tem organizador que pega o dinheiro do público e não paga tudo pra banda. Isso é algo que também espanta público.

      Público: qual a situação financeira desse público? Que faixa de $$ ele considera justo pagar por algo que não conhece ou que está mal organizado? Tá tendo bastante show estrangeiro pra concorrer com o de bandas nacionais?? Tudo isso influencia... o empresário e as bandas precisam levar isso em consideração porque o público tem uma atitude habitual que precisa ser mudada oferecendo algo em troca, que os seduza. Aí cai na questão de gestão também, encontrar uma gestão que seja boa pra todos, se adaptar ao mercado.

      Música é também business e as bandas precisam se ver como produtos a serem consumidos, os bares também precisam entender isso e o público, se não tem cultura, precisa ser seduzido. E às vezes é preciso cair na real que música será só um hobbie....

      Excluir
    2. Vou me meter aqui de doida.
      Gostei das colocações das duas. Eu estou ajudando uma banda que faz cover do The Cure, mas quer fazer som próprio, no estilo Royal Blood. Como cover, ela não é chamada há muito tempo, e fizemos até crownfunding - que não funcionou, ninguém quer pagar nem 30 reais. Mas tudo bem, entendo que a crise afasta as pessoas, porque o setor artístico é fortemente cortado nestes tempos.
      Já a banda autoral não recebe espaço porque "não faz metal", "não toca hit", não é igual a todo mundo! Eu fico puta com isso! Conseguiram um show de graça num bar, dois por dois, para poder tocar. Sem ganhar um tostão, porque ninguém queria dar oportunidade.
      Então as bandas muitas vezes procuram e não encontram.
      A questão da profissionalização mínima de uma apresentação de show: assino embaixo. Cansei de ver banda nova querendo causar jogando cerveja na galera, fazendo discursos sem pé nem cabeça, apenas para serem lembrados. Cadê a interação com o público, a troca de idéias saudável?
      E mais uma: na era Youtube, quem não faz vídeo não é visto. É chato, mas é o que andamos observando.

      Excluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^