"Uma rebelde é alguém que protesta, que questiona o que já está estabelecido e pensa de forma diferente. E no fim do dia são os rebeldes como Martin Luther King, Nelson Mandela, Bob Marley e John Lennon, as pessoas que mudaram o mundo.
Não dá pra ser um rebelde e não encarar as consequências. Como Michael Moore diz: "Não dá pra colocar o queixo pra fora e não esperar uma porrada" (Madonna, sim ela mesma)



Esses dias eu estava pensando sobre rebeldia...
Porque algumas pessoas tem medo dessa palavra?
Às vezes me deparo com pessoas com aparência alternativa dizendo "ah mas não sou rebelde".
E eu internamente penso: "ah jura?"
Porque a pessoa é rebelde, ela tem tudo de rebelde, ela pensa diferente, questiona, mas porque raios elas tem dificuldade de aceitar esse lado de sua personalidade? Medo do quê?
"Ah não gosto de rótulos". 
Tá, mas isso não é um rótulo, é uma característica de personalidade.

Ser rebelde é ter um tom de desobediência à ordem pré estabelecida. Eu me identifico com rebeldia e culturas de rebeldia desde que me entendo por gente porque isso é parte de minha personalidade, da minha dificuldade de lidar com autoridade, padrões de pensamento e regras pré estabelecidas. Não à toa eu me identifico muito com conceitos de contracultura. Porque eu acredito que a mudança na sociedade se faz com a mudança de mentalidade.

Mas eu realmente não sei porque a palavra incomoda quem não deveria se incomodar com ela.

"Tudo o que é desordem, revolta e caos me interessa;
e particularmente as atividades que parecem não ter nenhum sentido.
Talvez sejam o caminho para a liberdade.
A rebelião externa é o único modo de realizara libertação interior"
. Jim Morrison

Lisbeth Salandar é minha coração rebelde favorita da literatura


11 Comentários

  1. Oi Sana! Eu adoro quando tu traz estes teus questionamentos pro blog, acabam trazendo a reflexão a nós leitores também. Acredito que essa negação da rebeldia parte da nossa socialização - desde cedo nós somos ensinados que ser rebelde é ruim, que não é algo que possamos ser, que precisa ser corrigido pelos que não são rebeldes. Na adolescência ouvimos muito que nosso aparência é fruto "da rebeldia" adolescente, obviamente num tom pejorativo, que coloca inclusive o estilo pessoal como algo passageiro, uma "fase". Depois, presume-se, os adolescentes irão crescer, deixarão de ser rebeldes e se comportarão como adultos normativos. Chato, né? Mas é o que se espera de nós, e tudo nos empurra insistentemente para isso (inclusive o mercado de trabalho, com seus padrões de vestimenta e apresentação pessoal). Acredito que esses questionamentos de ordem social nunca devem morrer, e que essa é a verdadeira rebeldia - ousar pensar por si próprio, num mundo de opiniões enlatadas pré-prontas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna!
      É verdade isso que vc falou da socialização, não é à toa que não nos ensinam a ter pensamento crítico que é uma das bases da "rebeldia".
      Também acho que mesmo adultos não deveríamos perder essa vibe questionadora, infelizmente muitos perdem e só aceitam por ser mais fácil.
      Bjs e obrigada pelo ponto de vista!

      Excluir
  2. ps. também sou apaixonada pela Lisbeth Salander! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A personagem é ótima! Eu nunca me identifiquei com aquelas mocinhas boazinhas e românticas de livros hahaha ♥

      Excluir
  3. ótimo post : )
    já estou te seguindo
    eu também tenho um blog se quiser conhecer ficarei muito feliz, bjs
    lanibelezafeminina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Sana linda! Achei esse teu blog e já tô lendo tudo <3
    Eu também sou rebelde por natureza, mas cresci com a imagem de que ser "rebelde" significa apostar até a última ficha no que VOCÊ acredita ou acha que é certo, e não no que dizem que é certo.

    Então sim, sou rebelde, e fico feliz de pensar que não sou a única <3

    http://umarevolucaodepensamentos.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafaela!
      Tá certinha, tem que ter orgulho e força de levar à frente o que acredita!!
      Obrigada por passar aqui :)

      Excluir
  5. Humm... concordo com o post, mas acho que algumas pessoas nao assumem simplismente pq nao se sentem. Acho, que tem gente que tem a rebeldia de forma tao orgânica dentro delas assim como temos o orgulho, a timidez... elas simplesmente nao pararam p/ pensar nesse traço da personalidade, simplesmente vivem o que são.
    Falar p/ uma pessoa dessa que ela é rebelde, é como chamar de tagarela alguem que nao tem noção que fala mais do que o normal rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, mas se elas não se sentem rebeldes, talvez elas não sejam mesmo.

      No texto, falo de pessoas que pensam MESMO como rebeldes mas negam essa característica. Elas são, mas foram naturalizadas a pensar que não são - por n motivos: de medo a até o que a Bruna comentou.

      É bem difícil não pensar em nossos traços de personalidade porque pessoas sempre apontam, da escola à vida adulta alguém nos diz como somos; tendemos a saber o que gostamos, a não ser que a pessoa seja muito "desligada" de não conhecer-se. Especialmente os de pensamento rebelde destoam muito de um ambiente normal (e no ambiente escolar). Rebeldia não é naturalizada mas pode ser "abafada".

      Excluir
  6. Bom esse questionamento, viu.. nunca tinha parado pra pensar nisso, mas é verdade né.. as pessoas tem medo dessa palavra. Acho que porque muitas vezes a maioria liga a algo ruim. Mas ruim pra quem? Pro sistema? Isso é mesmo. Mas é assim que deve ser, não!?
    Nós alternativos estamos aí pra incomodar o sistema, não é mesmo? Quebrar padrões, questionar, inovar. E o que mais de rebelde poderia existir além disso?
    Adorei o texto! :)
    Quando alguém me diz que sou rebelde só dou um riso de canto de boca e penso: é, você tá certo.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^