Meu grande lance com a moda sempre foi que eu não gosto de comprar coisas que vão ficar datadas.
Isso quer dizer: tendências.
Não consigo me adaptar à tendências.
Embora algumas se adaptem ao meu estilo,  não necessariamente vou consumi-las. 


saia preta lápis, meia calça, luvas: eternas!

O mercado alternativo agora é cheio de tendências "alternativas" e isso, de certa forma, tem me desanimado. Bastante coisa igual, muito foco na venda do que vende e não tanto na originalidade que antes me fascinava.
Tanto potencial criador e criativo desperdiçado...

 Acabo tendo marcas preferidas que fazem peças atemporais. E invi$to nelas.

Atemporais = roupas que nunca sairão do meu estilo pessoal.
Meu estilo pessoal não muda muito, na verdade é de praxe eu vestir blusas básicas e colocar como ponto de destaque saias e acessórios. Renda é algo atemporal pra mim (uso mesmo no dia a dia). Designs cleans e limpos também. E continuo no fase do preto, então sim... muita coisa preta.
Adoro peças edgy, mas é aqui que entra meu rígido rigor de seleção sobre o que consumir e o que não consumir. Mesmo as peças edgy precisam ter ser atemporais à seu modo. 

Andei pensando de onde veio esse meu "interesse pelo atemporal". 
Cheguei à possíveis motivos: 
1. Fui criada por uma mãe básica e clássica. Elegante à seu modo. Adorava vê-la se vestir.
2. Vivi a crise econômica brasileira dos anos 90 durante parte da infância e adolescência. Com pouca grana, comprar peças que eu poderia usar por muito tempo e que não saíssem de moda, era um jeito de não precisar gastar o dinheiro que não tinha.
3. Meu horror ao desperdício e consumismo. Essa cultura do "lixo" e "descartável" nunca me atraiu. 
4. Meu interesse por design. Pra destacar algo com design, o atemporal serve de base.
Não sei se isso justifica. Agora, nesta fase de adulta, meu gosto estético está caindo mais pro dark glamour e menos pro alternativo "chocante" que era comum nos meus 20 e poucos anos.

Dark Glamour


6 Comentários

  1. Respostas
    1. The first one is my favorite Sylwia!! :D

      Excluir
  2. Oi Sana!
    Tenho o mesmo pensamento que você,pois também vivi essa fase de crise nos anos 90, e minha mãe sempre dizia que eu deveria ter cuidado com minhas roupas,que estas devem durar e muito!Confesso que também notei essa mesmice das lojas alternativas,não consigo me identificar com muita das coisas que estão sendo vendidas,tal mesmice e falta de autenticidade de tais lojas,me fez perceber como meu estilo mudou pouco durante esses anos.Acredito que esse consumo descartável e com falta de sabedoria em saber investir,deve-se a falta de identidade e autoconhecimento das pessoas.Essa vontade de querer se encaixar em grupos,faz com que as pessoas não solidifiquem seus gostos (acho que devo ter publicado,ou estou rascunhando algo,não lembro :D).Mas é algo que nos faz pensar o caminho que as coisas estão tomando.

    ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos percebendo o nosso estilo "real" por baixo de tudo, das camadas e camadas de experimentações rsrs. E daí vou vendo que a tendência é linda, mas ela tanto faz na minha vida. Pra quê um modismo se posso ter algo que ultrapassa o tempo?
      Bom, eu acho as coisas atuais confusas, sinceramente haha! A moda alternativa anda se modificando, assim como o mundo.
      bjs!

      Excluir
  3. Mesmo pessoas que seguem tendências precisam ter peças atemporais no guarda-roupa. Como você disse, elas são base pra montar qualquer look. Sejam mais clássicos, sejam mais chocantes. ^^
    Adorei a primeira foto do post. Que saia maravilhosa!
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. No meu caso, sempre fiquei no simples mesmo. Embora gostasse de uma ou outra estampa diferente, me identifiquei com você no primeiro caso. Mas nunca fui do chocante, heuhe! Uso mais quando vou fazer ensaios, mas no dia a dia, é o casual goth o tempo inteiro, praticamente. Também com muitos vestidos. <3

    4sphyxi4.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela interação. Os comentários serão respondidos aqui mesmo ^-^