O estilo característico de criação da Anna Sui me fascina, mesmo que eu (ainda) não seja adepta destes looks "senhorinha excêntrica milionária meio cigana dos anos 1970 que viaja/vive/adora o oriente médio". O trabalho de cores, estamparia, mistura de texturas provoca intensa admiração dos meus olhos! A arte, a criação de um designer supera limitações estéticas! 











StyleWe is an online fashion shopping that features independent fashion designers. They provide original, high quality, and exclusive products from the designers direct to customers worldwide.

StyleWe é uma loja online com escritório em Londres que trás no catálogo peças de estilistas independentes para consumidores do mundo todo. A loja é bem variada, com muitos estilos e o que me chamou a atenção foi a quantidade de peças  inspiradas no estilo retrô. No blog deles vocês podem pegar umas inspirações sobre o uso da bandana, por exemplo.

They  bring together designers and fashion covering many different styles, what caught my attention was the variety of retro and vintage inspired pieces. On their blog you can read this article about  how to hairsyle with bandanas.

http://blog.stylewe.com/step-up-your-hairstyle-fashion-with-bandana/


You can also find retro beachwear, like  this lovely bikini with flamingos.
Na seção de moda praia, tem biquini com a clássica estampa de flamingos.

  https://www.stylewe.com/category/bikinis-245_246/style-triangle.html


Some examples of retro inspired dresses, which I´m in love with!

Exemplos de peças inspiradas no passado, estou apaixonada pelos modelos estilo anos 1930, sempre quis ter vestido assim, mas é super difícil encontrar por aqui. Agora já sei onde tem! :D
www.stylewe.com

 


Lady Gaga é uma artista incrível e confessadamente fã de rock, heavy metal e coisas alternativas, tanto que quando subiu ao estrelato ao invés de usar as roupas "da moda", preferiu usar as peças conceituais, as bizarras, as que ninguém usaria, as que ficariam só nas passarelas e nos editoriais de moda.
Gaga é uma ótima cantora, performer e artista competente.

Muito se falou essa semana sobre sua participação no Grammy com a banda Metallica. E muito se criticou. Eles mandaram muito bem no palco. O visual da Gaga, estereotipado, mas super coerente.
 
Gaga é uma cantora pop e eu lhes pergunto: e o Metallica, não é? Claro que é. É uma das bandas de metal mais populares do mundo. É uma banda mainstream. É mainstream.  


Mas eu tenho uma crítica. 


Acompanho bandas femininas e cantoras de metal desde que me envolvi com esse gênero musical.  

Onde estão as cantoras e musicistas de metal nas premiações? 
Elas não lançam discos? Elas não lançam clipes com suas bandas?
Onde estão as musicistas de metal nos palcos da TV?
Onde estão as musicistas de metal tocando com grandes bandas de rock?
Ao invés de Gaga não poderia ter sido uma musicista da cena metal?
Poderia.
MAS na opinião daqueles que decidem o que você deve ouvir ou não, do que você deve gostar ou não, do que você deve compartilhar ou não em suas redes sociais, o ideal é colocar uma artista famosa e não uma "da cena", porque sim, eles lidam com dinheiro, audiência e polêmicas. Eles manipulam direitinho. E as pessoas "aceitam" sem questionar.
 
A escolha de Lady Gaga só confirma que esse mundo de premiações é um mundo comercial. É aquele mundo que eu nunca me importei muito em fazer parte (por falta de identificação mesmo).

Quando vão se lembrar das cantoras de rock/metal que estão na luta eterna por mais respeito, reconhecimento e menos preconceito?

Acho que está longe o dia que o mainstream vai realmente dar valor à estas artistas tanto quanto dão valor à bandas "all male" e cantoras pops criadas por eles mesmos.


Mais um projeto dos blogs aliados do Universo Alternativo! Desta vez o post é sobre "O que aprendi com a blogosfera."




Nestes anos todos que acesso a blogosfera aprendi muita coisa. Boa parte das coisas foram subjetivas. E vai ser difícil essa postagem não sair piegas.

"Convivendo" virtualmente adquiri mais consciência sobre muitas coisas, desde amizade à distância até sobre sentimentos humanos. E esse tipo de aprendizado nem sempre é possível colocar em palavras, como a sensação de ser parte de algo que envolve muitas pessoas que você gosta e/ou admira ou as nuances de empatia em diversas situações. O aprendizado de que entre as semelhanças também existem diferenças e ninguém deixa de ser amigo virtual por conta disso porque o que os une é maior do que o que separa.

Blogs são uma forma de companhia, cria-se um laço com algo que conforta. Mesmo estando longe, um clique nos faz parecer mais perto e parte de tudo.

Aprendi que amizades virtuais por várias vezes nada tem de superficiais. Algumas amizades virtuais são apenas distantes, mas são tão próximas em termos intelectuais e emocionais quanto as amizades "reais". Eu poderia dizer que tem blogueiras alternativas que acompanho e que não imagino minha vida sem elas. Quero dizer: o quanto ficaria chato se todas elas decidissem acabar seus blogs, eu sentiria muita falta.

Aprendi que blog é ter um espaço só seu pra fazer o que quiser, é um espaço de muita liberdade. Eu poderia dizer que é espaço de mais liberdade que temos, já que as redes sociais costumam bloquear quem publica certos conteúdos. Aprendi isso ao notar que eu podia jogar o que quisesse nos meu blogs, independente de quem fosse ler.

Aprendi que blog também é um espaço de troca embora isso não seja necessário pra um blog sobreviver.

Você pode criar um blog esperando comentários, mas você não precisa dos comentários pra sobreviver. Um blog pode viver por anos com comentários fechados ou ocasionais apenas se valendo da vontade do autor em se expressar.

Aprendi que os blogs alternativos exercem uma baita função que é ser um canto de apoio aos que estão se sentido perdidos por aí nesse Brasil, necessitando de identificação com pessoas semelhantes.

Aprendi que ter blog também é ter responsabilidade sobre o que se publica. Não é certo sair por aí destilando preconceito em postagens ou informando coisas erradas. Mesmo quando fazemos uma postagem desabafo sobre os mais variados assuntos pessoais, aquilo vai chegar em várias pessoas e gostando ou não, podemos influenciá-las ou mexer com as energias delas, fazendo-as se sentirem melhores ou piores.

Mas a blogsfera é assim mesmo. É um espaço de expressão democrática. É um espaço pra todos. É um aprendizado sobre liberdade e tolerância!

Blogues que sinalizaram interesse em participar dos projetos:
4sphyxi4 
Lady Dark's

Alternativa GG
Admirável Inconstância
Vultus Persefone
Eccentric Beauty
Relíquias da Lara
Panzoca
Women Rocker
Alkymist
Necro Side
This is my world
All Mine
Rumor and Horror
Tory Belmont
Corp. Goth. Ltda

Dias de Cheshire
Jess Ribeiro
Trilunaa
Sexo,Fraldas e Rock n Roll 


Projeto de Escrita Mensal UA
Janeiro • A História do meu Blog Fevereiro 
• O que aprendi com a blogosfera.
Março • Tudo aquilo que me inspira hoje.
Abril • 5 blogs que sigo e admiro! (Underground, please!)
Maio • Coleção de fotos que nunca publiquei.
Junho • Três postagens antigas favoritas.
Julho • Sobre meu estilo pessoal.
Agosto • Memórias da minha infância / adolescência.
Setembro • 10 coisas pelas quais sou grata!
Outubro • Sobre amores da minha vida.
Novembro • Vivendo na era digital.
Dezembro • O que este ano me ensinou?


Há algum tempo venho observado a "obrigação de postar" e percebi que muitas vezes essa obrigação pode se tornar um motor de criatividade.

Ao mesmo tempo em que somos livres pra postar somente quando quisermos, a 'obrigação' com dia e hora marcada faz o cérebro procurar assunto, gerando assim uma busca, uma curiosidade por novos temas a serem abordados. As referências começam a aparecer. As ideias começar a fluir e uma ideia vira realidade.

Há um outro aspecto importante nisso tudo, além da fragmentação das redes sociais [que já comentei neste post]: minha luta contra a passividade virtual. É como se o processo passivo de rolar um feed sugasse a energia mental que eu usaria para inventar, criar algo, adiando algum tipo de postagem interessante que poderia sair.

Rafaela Ivo disse recentemente em um de seus posts: "hoje sei que meu blog não é uma obrigação, mas é sim um compromisso." E é exatamente isso: estabelecer datas é também criar um compromisso de respeito com meu espaço.

Assim, quando me proponho a postar em determinada data - a tal "obrigação de postar" - consigo manejar melhor meu tempo. Há tempo pra tudo, inclusive para colocar metas nas escritas.

A "obrigação de postar" pode ser encarada como um prazo para colocar as ideias em prática. 
Pego meu café e me debruço sobre minhas escritas e rascunhos. Algo novo com data pra nascer :) 
Fonte.


Editado: 17/02/2017